junho 18, 2018

O cientista VITAL BRASIL e a nossa UNIVERSIDADE REGIONAL: UM SONHO. UMA IDÉIA. UMA ESPERANÇA!

UNIVERSIDADE ESTADUAL 

“VITAL BRASIL”. 

Botucatu PODE! Botucatu MERECE!





A criação de uma Universidade Regional começou a ser trabalhada nos anos 1976/77, como um caminho inevitável e irreversível. Seria a complementação da idéia inicial do Governo do Estado ao criar, em 1962, a FCMBB e a FCMBC (de Botucatu e de Campinas) como “embriões” de uma futura universidade, pequena, moderna, ágil e vinculada a determinadas comunidades da região. Seria a racionalidade e a modernidade na gestão de tão importante setor: o ensino estadual universitário. Por mais que se faça e que se diga, a UNESP é de uma irrealidade assustadora.

Persiste, até hoje, graças ao comodismo e às “amarras” que o oficialismo lança em seus integrantes, do que pela lógica funcional de uma universidade dispersa por todo o Estado e com uma Reitoria que nunca se instalou no local então determinado em lei (Ilha Solteira) e, sim, permaneceu “provisoriamente desde 1976” instalada na Alameda Santos (SP), onde encontramos o m2 mais caro da Capital... 

Atender determinadas comunidades regionais, conseguir bom entrosamento entre os corpos docente e discente de seus campi, ao lado da agilidade que somente uma estrutura menor, mais racional e mais moderna pode oferecer, é o almejado. No livro "Memórias de Botucatu", de 1990, era dada a devida importância a essa legítima pretensão de Botucatu:



O trabalho feito por ocasião da absorção da FCMBB pela UNESP, em 1976/77, quando o então Reitor, Dr. Luiz Ferreira Martins, de Bauru, promoveu uma série de alterações, culminando com o fechamento de departamentos de “integração” então existentes na FCMBB.

Os docentes protestaram. Os políticos locais se mobilizaram. A comunidade botucatuense acompanhou com atenção os acontecimentos.
Na ocasião, o Dr. José Faraldo, mais uma vez surgia em defesa da maior conquista de Botucatu. Na mesma época, fazíamos um trabalho junto à Assembléia Legislativa tendo por base Requerimento aprovado, por unanimidade, por nossa Câmara Municipal. Nesse Requerimento, propunhamos a transformação dos campi (Rubião Jr.e Lageado) universitários de Botucatu no núcleo inicial de uma universidade moderna, pequena, ágil, regional.

Para essa luta, tivemos o apoio de políticos de toda a região e, com destaque, das Câmaras Municipais de Ribeirão Preto e de Presidente Prudente. Na Assembléia Legislativa, o deputado Sólon Borges dos Reis (que fora Secretário da Educação do Governo Carvalho Pinto, à época da criação da FCMBB), prontamente apresentou Indicação de apoio. Da mesma forma, o deputado João Lázaro de Almeida Prado, de Jaú, realizou intenso trabalho junto ao Governador Paulo Egydio Martins em defesa da pretensão de Botucatu.

A seguir, reproduzimos, na íntegra, o artigo do Dr. José Faraldo e a Indicação do Deputado Estadual João Lázaro de Almeida Prado a favor da criação da UNIVERSIDADE REGIONAL “DR. VITAL BRASIL”:

“Resposta ao Reitor”
José Faraldo


Seria fingimento dizer que as cartas do reitor e do vice-reitor da UNESP agradaram a cidade. Invocando atos, portaria ou resoluções, confirmam a evasão dos cursos e departamentos, o que deixa os botucatuenses alarmados.
No entanto, não se preocupem aquelas duas autoridades. A cidade, por suas camadas representativas, em comum acordo com professores do cobiçado núcleo de Rubião, já está tomando a única e ajuizada providência, que lhe cabia tomar: está ultimando as medidas legais para transformar as faculdades locais na UNIVERSIDADE ESTADUAL DE BOTUCATU.

Possuindo o referido núcleo estrutura suficiente, basta uma medida apenas para que se transforme em universidade autônoma, deixando assim de ser um organismo incomodo dentro da UNESP. Constituída nossa universidade, como o será, certamente o reitor e o vice-reitor não mais estão sujeitos a ofensas de “gente de botequim” ou de pessoas que não sabem o que é uma universidade, “porque nunca a freqüentaram”. As duas autoridades acima não mais terão a necessidade de descer de seus pedestais, para virem discutir com gente tão insignificante.
Quanto às ameaças, pense bem reitor. O que Botucatu postula é coisa legítima. Imagine-se, se alguém pretendesse mexer em faculdade de Bauru, principalmente naquele magnífico centro de ensino que é a Faculdade de Odontologia. Aquela cidade cruzaria os braços, por mais razoáveis que fossem as justificativas oficiais? É claro que não. O reitor seria o primeiro a terçar armas para manter intacto aquele excelente centro de cultura.
Nós aqui de Botucatu também temos direito de defender nosso principal patrimônio.

Não há, não, interesse de ninguém de atingir o governo que, diga-se de passagem, não tem sonegado recursos para tornar o núcleo de Rubião na universidade de fato, que já é. Somente um povo ingrato poderia indispor-se com um governo que tanto nos tem prestigiado. É que as faculdades de Rubião nasceram de uma luta que polarizou a cidade e a região e que, por isso, lançou raízes profundas na alma de cada botucatuense. Exigiu muitos sacrifícios pessoais, muita renúncia, muita disputa, muito ideal. Não é agora, em nome de um remanejamento, baseado em atos e leis discutíveis, que se vai permitir o desmoronamento da mais notável conquista de nossa cidade.

Não adianta ameaçar, não, sr. Reitor. Botucatu parte, agora, para o passo certo: quer a sua universidade, abrangendo os cursos existentes e outros que serão criados; quer o corpo docente da futura universidade livre de frustrações ou queixas, opinando no Conselho Universitário e ajudando, de mãos entrelaçadas, a erguer o novo monumento de cultura a que a cidade aspira.
Como será feito tudo isso? Do mesmo modo pelo qual os botucatuenses conquistaram as magníficas faculdades que possuem. Com garra, com trabalho constante, com idealismo e muito método.

Botucatu deixará, assim, de ser um foco de atrito dentro da UNESP. Será uma cidade com sua própria universidade, a irradiar cultura por todos os recantos da pátria. Unidos, pois, botucatuenses, para mais uma luta de gigantes.”
(transcrito do “Diário de Botucatu”, de 13/10/1977)

“ASSEMBLÉIA APROVA INDICAÇÃO Nº 1610/77”


No último dia 18 de outubro, o deputado estadual João Lázaro de Almeida Prado, da Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo apresentou a Indicação nº 1610/77, pedindo urgentes estudos para a instalação, em Botucatu, da Universidade Estadual “Vital Brasil”, recente iniciativa do vereador botucatuense Armando Moraes Delmanto. É esta a íntegra da Indicação:

“CONSIDERANDO o Requerimento nº 281/77, datado de 11 de outubro de 1977, de autoria do nobre Vereador Armando Moraes Delmanto, da Câmara Municipal de Botucatu vazado nos seguintes termos:
CONSIDERANDO que a ex-Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu, como a  Faculdade de Medicina de Campinas (FCMBC), foi criada para que se transformasse, a médio prazo, em uma Universidade Estadual;


CONSIDERANDO que desde a sua criação a ex-FCMBB, pela variedade de cursos que possuía, pela dedicação à pesquisa científica em regime de tempo integral que desde o início adotou, pela própria estruturação departamental de seus cursos de forma pioneira e revolucionária em todo o país, exercia de FATO as funções de uma Universidade;


CONSIDERANDO que presentemente vem sofrendo os inconvenientes por ter sido incluída em uma Universidade “sui generis” e de difícil consolidação;


CONSIDERANDO que a ex-FCMBB por estar radicada no centro geográfico do estado e por contar com vários cursos, quais sejam os de Medicina, Medicina Veterinária, Agronomia, Zootecnia, Biologia e Engenharia Florestal (criado mas ainda não instalado), por contar ainda com um Hospital de Clínicas, está credenciada a ser, não apenas de FATO, mas de DIREITO, uma Universidade Estadual;


CONSIDERANDO que as autoridades estaduais ao reconhecerem essa possibilidade estarão reconhecendo que o maior centro de pesquisas científicas do Brasil, na atualidade, terá assegurada essa condição para o futuro, eis que para esse desiderato foi criado;


CONSIDERANDO que além dos cursos existentes e para a complementação dos mesmos, o Governo do Estado poderia instalar nessa nova Universidade o Curso Superior de Enfermagem;


CONSIDERANDO que em Botucatu, Vital Brasil pesquisou e iniciou sua brilhante e benemérita carreira científica em prol da humanidade;
REQUEREMOS, após ouvido o colendo plenário, seja enviado este Requerimento ao Exmo. Sr. Governador do Estado de São Paulo, Engº Paulo Egydio Martins, para que S.Exa., através de sua Assessoria Educacional, ultime os estudos para a instalação, em Botucatu, da Universidade Estadual “Vital Brasil”, composta dos Cursos de Medicina, Medicina Veterinária, Biologia, Agronomia, Zootecnia, Engenharia Florestal e Enfermagem, além do Hospital de Clínicas, o que viria beneficiar imensa região do interior do Estado e solidificar o modelar centro científico sediado em Botucatu.”


CONSIDERANDO que a organização do Ensino Superior em Universidade constitui medida necessária para incentivar a formação de pesquisadores profissionais e de professores de alto nível; e


CONSIDERANDO, finalmente, a importância e o valor do trabalho desenvolvido pelas unidades de Ensino Superior sediadas em Botucatu,


INDICAMOS, nos termos regimentais, ao Chefe do Poder Executivo sejam agilizados, em caráter de urgência, os estudos para a instalação da Universidade Estadual “Vitall Brasil”, em Botucatu.

Sala das Sessões, em 18 de outubro de 1977.
Deputado João Lázaro de Almeida Prado”

(jornal “VANGUARDA DE BOTUCATU”, outubro de 1977)

Não é preciso dizer que esta luta ainda não terminou. NÃO TERMINOU!

Sem representantes políticos na Assembléia e na Câmara Federal, ao contrário de Campinas, e SEM o apoio de um educador como o Prof. Zeferino Vaz, Botucatu ainda espera a hora dessa grande e inevitável conquista. Foi uma idéia positiva!

 A criação da UNIVERSIDADE ESTADUAL, em Botucatu, NÃO foi um sonho inconseqüente. Com certeza, será a esperança de que teremos a nossa UNIVERSIDADE ESTADUAL “VITAL BRASIL”.