abril 10, 2011

LAWRENCE DA ARÁBIA

”Um dos maiores livros já escritos na língua inglesa...”
Sir Winston Churchill (
sobre o livro “Sete Pilares da Sabedoria”, escrito por Lawrence da Arábia).



Teria sido brasileiro o famoso herói inglês que marcou presença na 1ª Grande Guerra Mundial? Teria sido botucatuense esse herói? Teria nascido na Serra (Cuesta) de Botucatu, no Estado de São Paulo, esse herói que encantou gerações com a sua bravura e idealismo?



O Império Britânico ainda era um império e sua influência era indiscutível no mundo todo. Como todo inglês de nobre ascendência, Lawrence tivera sua instrução secundária e superior em Oxford. Convocado pelas Forças Armadas de Sua Majestade, serviu de 1910 a 1914, em Carchemish, no Rio Frates, como assistente nas escavações do Museu Britânico. Em seguida, atuou no Departamento Árabe, eis que era um estudioso e entusiasta da causa árabe. Sua atuação no front da guerra, ajudando os árabes contra os turcos, começou discreta, ainda como Tenente, foi promovido a Major, encerrando-a como Coronel.



Quem é Lawrence da Arábia/ leia aqui

Lawrence da Arábia conseguiu unificar as tribos árabes. Liderou-os pessoalmente, vestiu-se como eles, viveu com eles, foi seviciado pelos turcos, enfrentou desafios inimagináveis e os venceu. Virou Herói Mundial. Seu ideal para a Nação Árabe, no entanto, não conseguiu motivar as grandes Nações vitoriosas. Os dirigentes das grandes Nações e os líderes árabes se compuseram facilmente. De um lado, o interesse pelo petróleo da região pelas grandes Nações e, do outro lado, nem o Rei Faiçal queria uma independência maior do que a formal dependência das grandes Nações...



Lawrence of Arábia (1962) “Original Theatrical Trailer”/assista aqui

O filme épico, de 1962, sobre Lawrence da Arábia foi um grande sucesso: ganhou 7 Oscars(1963), recebendo o Oscar de melhor filme, melhor diretor, melhor edição, melhor direção de arte/a cores, melhor fotografia/a cores, melhor som e melhor trilha sonora; tendo recebido indicação para o Oscar de melhor ator para Peter O’Toole, interpretando o herói e para Omar Sharif como melhor ator coadjuvante e, também, para melhor roteiro adaptado. No elenco do filme, dirigido por David Lean, ainda tinham os atores Alec Guinness, Anthony Quinn, Claude Rains e Jack Hawkins. Baseado na obra literária de Thomas Edward Lawrence, “Os Sete Pilares da Sabedoria”, mostrando todo o carisma e a liderança daquele que iria fazer a unificação da Nação Árabe e derrotar os turcos, durante a 1ª Grande Guerra Mundial: LAWRENCE DA ARÁBIA: HERÓI MUNDIAL!


A Revista Cultural Peabiru, em suas edições de nºs 06, 07, 08, respectivamente de novembro/dezembro/97, janeiro/fevereiro/98 e março/abril/98, apresentou minucioso estudo sobre a trajetória desse herói mundial. Na história ou na “lenda” de Lawrence da Arábia, temos como berço natal do herói a Serra (Cuesta) de Botucatu, mais precisamente, a Fazenda do Conde de Serra Negra, localizada em Vitoriana.

História de Lawrence da Arábia/ leia aqui

O Conde de Serra Negra vinha de família tradicional de Piracicaba. Seu pai, o Barão de Serra Negra, era importante cafeicultor e empreendedor naquele município, tendo sido o fundador do Banco de Piracicaba e da Santa Casa de Misericórdia, sendo certo que era quem hospedava a família imperial brasileira quando em visita à região. O Conde de Serra Negra tinha mais de 15 fazendas de café. Mas em uma delas ocorreria um caso de amor que ficaria registrado para sempre...

Desde muito antes de 1886, em Londres, o Conde e a Condessa de Serra Negra tiveram muitos encontros e jantares que contaram com a presença de uma bela jovem da nobreza inglesa. Os contatos eram sociais e até formais, mas desde a primeira vez o Conde sentira naquela jovem de pele tão alva e tão delicada uma atração que mexia fundo em seus sentimentos. Em 1886 e 1887, o Conde viajara sozinho à Inglaterra, eis que a Condessa ficara, nas duas ocasiões, com os filhos em Paris, onde a família tinha belíssima mansão.

Em 1888, a presença do Conde na sede da fazenda chamara a atenção dos moradores da região. A curiosidade cabocla aumentava quando se sabia da presença, já por 3 meses, de uma jovem nobre inglesa e de sua dama de companhia. Que era parto anunciado da inglesinha todos já sabiam... Mas a ausência da Condessa de Serra Negra, sempre presente nas visitas do marido, era estranha, muito estranha...

O evento ficou registrado. O nascimento, cercado de toda a pompa, foi muito comentado. A jovem inglesinha ainda permaneceria por mais 2 meses na fazenda, partindo em seguida para o velho mundo, levando as imagens gravadas de um país diferente, de uma gente diferente da sua, mas que lhe deixaram marcada a mais sublime experiência feminina: a maternidade.

O que teria ocorrido...O possível caso de amor, o auxílio à amada, a travessia do Atlântico, o abrigo discreto para não chocar a rígida moral da corte inglesa, o surgimento do “menino” somente depois de preparada e muito bem preparada a situação, o segredo sempre guardado, o acompanhamento à distância com olhos de admiração e coração fraterno, a consagração do Grande Herói, a trajetória empreendida por LAWRENCE DA ARÁBIA, orgulho do IMPÉRIO BRITÂNICO, exemplo da luta contra a opressão...modestamente a história de um brasileiro nascido na Serra (Cuesta) de Botucatu...

Verdade ou lenda?!?

Segredo guardado e bem guardado ou sonho “botucudo” surgido antes da virada do século retrasado?!?

Mas fica - com certeza! - a imagem positiva e heróica de Lawrence da Arábia: um brasileiro nascido na Serra (Cuesta) de Botucatu.

A Fazenda do Conde de Serra Negra, localizada no Distrito de Vitoriana e a Fazenda do Lageado, pertencente ao irmão do Conde, Dr. João Batista da Rocha Conceição, constituiam importantes fontes produtoras de café: o Conde de Serra Negra, com suas fazendas no Estado de São Paulo e no Estado do Rio de Janeiro era, nos séculos XIX e XX, o maior produtor mundial de café, tendo inclusive uma torrefação de café e uma distribuidora do produto em Paris (França).







Comentários/Registro Histórico:

1)"O "Lawrence" é material para novela. Que história mais fantástica..." 

Alcides Nogueira, escritor e dramaturgo (19/01/2000);

2) "Há décadas cheguei a esboçar um romance "A Fazenda" que não sendo a do Conde seria aquela. O antigo editor Diaulas Riedel, menino-jovem passou ali férias de verão e com entusiasmo e minúcias, descreve-a. A Condessa, idosa, mantinha quiosque no Boi de Bologne no qual, no inverno, oferecia café brasileiro. De certo, da fazenda. Imagine escravos abrindo picada do Porto Martins a fazenda, veludos italianos, mudas de pinho de Riga, piano alemão para a casa sede. Boa tarefa será um volume - elaborado sem pressa - para a tal casa, a mais importante da região. Abraço, obrigado.



Hernâni Donato, escritor e historiador (20/01/2000)."

4 comentários:

Anônimo disse...

Minha família é de Piracicaba. O Barão de Piracicaba foi o grande empreendedor de toda a região. Até um Bairro Serra Negra tem em sua homenagem. Fundou o Banco de Piracicaba e a Santa Casa de Misericórdia, politicamente sempre foi o manda chuva. A Família Imperial sempre se hospedava na sua famosa Fazenda Nazareth. O seu filho, o Conde de Serra Negra tinha tino para os negócios e tornou-se o maior produtor de café do Brasil. O Conde de Serra Negra passava seis meses no Brasil e seis meses na Europa, pois tinha mansão e torrefação de café em Paris/ França. Já tinha ouvido falar que ele é o pai de Lawrence da Arábia, mas nunca tinha visto um trabalho com tanta riqueza de detalhes. Essa é realmente uma história muito interessante, para nós brasileiros e para os ingleses que idolatram Lawrence da Arábia – o Grande Herói !
(maria-de-lourdes2004@hotmail.com)

Anônimo disse...

Magnífica a história de Lawrence da Arábia. Apaixonante, E que elenco de atores: Anthony Quinn, Omar Sharif e Peter O’Toole. Senti apenas a ausência de mulher no elenco, mas como é filme sobre guerra, até que se justifica. Acho que foi o maior e melhor filme épico de todos os tempos e que mostrou a força e a liderança de um líder carismático que conseguiu unificar as tribos nômades dos árabes, constituindo a Nação Árabe! (ludmila.cunha@yahoo.com.br)

Anônimo disse...

Bom dia, Dr Armando!
Sua maestria ao abordar assuntos de tal profundidade, com ética e nobreza, orgulha até o seu leitor, por conhecê-lo.
Somos transportados às histórias que encantam e poderia, em especial, desenvolver um romance a partir do tema: Lawrence da Arábia.
Parabéns e bom final de semana.
abraço,
Carmem Lúcia.

Angelo Covre disse...

Como obter as edições de revista Peabiru, existem referência interessantes e como botucatuense, o que mais me tocou foi Lawrence, possível filho(?) do Conde de Serra Negra. A citada fazenda pertenceu na década de 70/80 à uma nossa prima.
Agradeço um retorno.
adcovre@gmail.com.
Angelo Domningos Covre

Postar um comentário