julho 21, 2014

45º Festival de Campos do Jordão



45º Festival de Campos do Jordão – 2014 !

À partir do dia 23 de julho estará acontecendo a programação do MAIOR FESTIVAL DE MÚSICA CLÁSSICA DA AMÉRICA LATINA: Festival de Inverno de Campos do Jordão "Dr. Luís Arrobas Martins". Abaixo, a programação oficial:

clique na imagem para ampliá-la

Registro Histórico do Festival

Em mais de 40 anos de história, o Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão se consolidou como o maior e mais importante festival de música clássica da América Latina.

Conhecido e respeitado internacionalmente, o Festival é passagem obrigatória de conceituados artistas de todo o mundo. Ao longo de sua história, nomes do porte de Eleazar de Carvalho, Magda Tagliaferro, Yehudi Menuhin, Hugh Ross, Mstislav Rostropovich, Michel Philippot, Kurt Masur, Dame Kiri Te Kanawa, Trio Beaux Arts, Ysaÿe Quartet, Le Poème Harmonique, Frank Shipway, Carlos Kalmar, Claudio Cruz e Yan Pascal Tortelier, os pianistas Nelson Freire, Cristina Ortiz, Maria João Pires e Arnaldo Cohen, os oboístas Albrecht Mayer e Alex Klein, os violoncelistas Antonio Meneses e Marc Coppey, os violinistas Gilles Apap e Dmitri Berlinski, além de grupos como Akademie für Alte Musik Berlin, Arditti Quartet e Les Musiciens de Saint-Julien, entre muitos outros, brilharam nos palcos e classes do Festival.


Além da apresentação em concertos, esses grandes artistas também fazem parte da programação pedagógica do Festival, dando aulas e master classes a jovens músicos. Anualmente, estudantes de música de diferentes partes do mundo - sobretudo do Brasil, América Latina e América do Norte - escolhem o Festival de Campos do Jordão para se aperfeiçoarem. 

A qualidade do Festival não se restringe à programação. O evento oferece também atenção especial para acomunidade de Campos do Jordão, por meio de seus projetos de responsabilidade social. Formação musical para alunos e professores das escolas públicas da região, apresentações musicais em asilos da região, ingressos gratuitos ou com desconto para moradores da cidade estão no foco das ações responsáveis do Festival.
Todos os estilos da música estão representados, os mais diversos períodos das história da música estão representados e você vai ter um elenco de artistas, de grupos e de orquestras como raramente você tem chances de ver”, disse o diretor Artístico do Festival, Arthur Nestrovski. O festival de inverno é o maior festival de música clássica da América Latina.

Bolsistas
Enquanto o evento não começa, o Palácio de Campos do Jordão já está sendo preparado para receber os bolsistas para cursos oferecidos pelo festival. No local, os bolsistas terão as aulas de instrumentos, canto, composição, regência, prática de orquestra e música de câmara com professores nacionais e internacionais. 
Ao todo são 144 bolsas de estudo, sendo 25 destinadas a instituições estrangeiras e 119 para inscrições individuais. O festival oferece bolsas de estudo para os cursos de instrumento, canto, composição, regência, prática de orquestra e música de câmara para alunos com idade entre14 e 30 anos.(divulgação da Secretaria Estadual da Cultura)

E nada mais oportuno do que mostrarmos como surgiu o Festival de Campos do Jordão, a importância de seu criador,Luís Arrobas Martins, e como foi a sua consolidação:

 Nascido em Jaboticabal, em 30 de maio de 1920, Luis Gonzaga Bandeira de Mello Arrobas Martins, viria a marcar positivamente a cultura paulista, com suas iniciativas que definiram o nosso perfil cultural. Formado pela Faculdade de Direito do Largo de São Francisco (USP)Arrobas Martins se destacou na luta contra a Ditadura de Getulio Vargas e na campanha a favor da entrada do Brasilna 2ª. Grande Guerra ao lado do Aliados e contra oNazismo e o Facismo.
Sempre militando para a conscientização democrática  da população paulista, Arrobas Martins ocupou os cargos de Secretário de Planejamento e Secretário da Fazenda do Estado de São Paulo, no governo de Abreu Sodrée de Secretário de Estado Chefe da Casa Civil no governo de Paulo Egydio Martins. Ocupandocargos técnicos, dedicou-se à estruturação da cultura no estado
No governo Abreu Sodré, idealizou o Festival de Inverno de Campos do Jordão e a organização dos museus: Museu do Palácio da Boa Vista, Museu da Imagem e do Som, Museu de Arte Sacra de São Paulo e Museu da Casa Brasileira.Privilegiou o modernismo brasileiro na pintura e na escultura e o barroco no mobiliário e nasimagens sacras. Pertenceu à Academia Paulista de Letras – APL, ocupando a Cadeira nº 13. Faleceu em São Paulo, no dia 03 de julho de 1977.
 Membros Efetivos da ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS/1974. Acadêmico Luis Arrobas Martins é o primeiro, em pé, da esquerda para a direita.
FESTIVAL INTERNACIONAL DE INVERNO DE CAMPOS DO JORDÃO “DR. LUIS ARROBAS MARTINS”
 Em 12 de abril de 1970, o governo Abreu Sodré declara oPalácio da Boa Vista como “MONUMENTO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO”, abrindo suas portas à visitação pública, nos moldes dos castelos e palácios europeus. Arrobas Martins fora o coordenador dessa importante iniciativa governamental. Para simbolizar essa iniciativa governamental, Arrobas Martins resolve fazer um evento nos moldes do FESTIVAL DE MOZART, de Salzburgo, na Áustria. Era o início de tudo. O“PRIMEIRO CONCERTO DE INVERNO DE CAMPOS DO JORDÃO”, convidando para a direção musical, os maestros CAMARGO GUARNIERI e JOÃO DE SOUZA LIMA.

Em 1971, já com a denominação de“FESTIVAL DE INVERNO DE CAMPOS DO JORDÃO” é realizado também no Palácio da Boa Vista e em outros locais da cidade. Em 1972 e em 1974, não houve a realização do Festival. Destaque-se que, em 1973, omaestro Eleazar de Carvalho assume a suadireção musical, na qual permaneceu até seu falecimento em 1996, contribuindo para aconsolidação e aprimoramento dessa importante manifestação cultural.
Em 1975, como Chefe da Casa Civil do Governo Paulo Egydio Martins, Arrobas Martins passa a coordenar diretamente as atividades ligadas ao Festival de Inverno. A prioridade passa a ser aconstrução de uma sede própria. Em um terreno, com uma vista magnífica, próximo ao Palácio da Boa Vista, é implantado um complexo arquitetônico sobre uma privilegiada colina.
Festival de Inverno foi realizado pela última vez no Palácio da Boa Vista,em 1978. Em 1979, já foi realizado no “AUDITÓRIO CLÁUDIO SANTORO”. Em 1999, comemorou-se os 30 Anos do Festival de Inverno e os 20 Anos de sua realização no“Complexo Arquitetônico Cláudio Santoro”, com auditório para 950 lugares e demais instalações necessárias para o evento, localizado à Avenida Doutor Luís Arrobas Martins, 1800, Alto da Boa Vista. Em 1978, um ano após o falecimento deArrobas Martins, a Assembléia Legislativaaprova lei dando seu nome para esse importante marco cultural de São Paulo: “FESTIVAL DE INVERNO DE CAMPOS DO JORDÃO “DR. LUIS ARROBAS MARTINS”.
Auditório Cláudio Santoro
“Festival de Inverno de Campos do Jordão Dr. Arrobas Martins”, hoje, é uma robusta realidadee se multiplicou por todo o Estado de São Paulo, com as suas atrações percorrendo um circuito cultural a levar a boa música para todos os paulistas.
43º Festival de Inverno está sendo realizado desde o dia 30 de junho indo até 29 de julho.


UM PREFEITO COMPETENTE PARA SÃO PAULO
No ano de 1969, o Estado de São Paulo vivia umarealidade política muito difícil. O então Ministro da Justiça, autor do AI -5, era Luiz Antonio da Gama e Silva. Já havia feito um “estrago” na USP, onde conseguirá cassar cerca de 30 professores efetivosacusados de comunistas ou simpatizantes mas que eram, na verdade, apenas desafetos seus na política universitária.Assim, foram afastados, entre outros, osconceituados acadêmicos: Florestan Fernandes, Fernando Henrique Cardoso e Paulo Duarte.

Sr. Gama e Silva tinha um sonho obsessivo: ser Governador do Estado de São Paulo. Após a edição do AI-5 - aberração jurídica e antidemocrática de sua lavra - , passou a fazer marcação firme sobre o Governo Abreu Sodré. Achava que no Governo Estadual, os participantes doMovimento dos Administradores Cristãos(Nelson Gomes Teixeira, Arrobas Martins e outros), além de outras autoridades, entre eles, com destaque, o Secretário da Educação (ex-Reitor da USP e desafeto na política universitária),o Prof. Ulhôa Cintra, eram simpatizantes da esquerda.

E, coincidentemente, em cerimônia no Palácio dos Bandeirantes, uma semana antes de ser efetivada a sua indicação para Prefeito de São Paulo, o Dr. Arrobas Martins fez empolgante discurso exaltando os paulistas e a importância de São Paulo na luta contra os governos autoritários. Foi o que bastou para o Regime Militar ( sob a presidência do General Costa e Silva) indicar para o cargo dePrefeito, o Sr Paulo Salim Maluf. Era mais umaretaliação ao governo de São Paulo que se transformou em uma realidade política que deixaria sua marca de como governar sem ética e ao arrepio das tradições paulistas.

É REGISTRO HISTÓRICO!

7 comentários:

Anônimo disse...

Apesar de 2 tentativas para acabar o FESTIVAL DE INVERNO DE CAMPOS DO JORDÃO, em 1972 e em 1974, ele se consolidou e, hoje, representa o ponto alto da cultura paulista. E é um estrondoso SUCESSO! Muitas cidades do interior do estado já participam com seus Festivais de Inverno, apresentando atrações do Festival de Inverno de Campos do Jordão. Daqui para a frente é só aprimoramento. Ampliar e transformar aquela bela cidade turística na Capital Paulista da Cultura!
(maria-de-lourdes2004@hotmail.com)

Anônimo disse...

Desde seu discurso inflamado e contundente feito nas sacadas da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, contra a Ditadura de Getúlio Vargas; desde o “Manifesto a favor da luta contra o nazi-facismo”, de sua autoria que mobilizou os estudantes universitários paulistas, ARROBAS MARTINS sempre pautou sua atuação pela defesa dos postulados democráticos e a favor de uma maior participação da população nas decisões governamentais.
Esse foi um Estadista! Foi um grande MECENAS DA CULTURA PAULISTA!
Estamos precisando de muitos “arrobas martins” para recolocar São Paulo nos trilhos e dar um choque cultural e educacional que, começando aqui, atinja todo o Brasil!
(danilo-gomes40@live.com)

Anônimo disse...

Muito Obrigado pela dedicação ao meu Avó, Luis Arrobas Martins.
Foi um grande incentivador da cultura e de políticas públicas honestas!
Nunca tive a oportunidade de conhecê-lo, mas essas dedicatórias me deixam feliz por saber que meu avó era um Homem correto!

Obrigado
Renato Arrobas Martins Gomide

Carlos Francisco Toledo disse...

Participei do Festival de Inverno de 1978 e achei meu cracha como bolsista do coral, onde tive aulas com os Maestros Hugh Ross e Elazar de Carvalho, o crachá tem autografos dos dois... como trabal,ho com instrumentos musicais, e estamos construindo o novo site, gostaria de conseguir mais material sobre o festival 78 e dos maestros... se voce tiver algum material, por favor entre em contato. Tambem mandei e-mail para a TV Cultura, pois me lembro que transmitiram ao Vivo o encerramento do Festival, Coral dos Bolsistas e Orquestra Sinfonica do Estado de SP, mas infelizmente, não me responderam, preciso conhecer alguém de lá de dentro para procurar nos arquivos que com certeza devem ter guardadasos. Obrigado pela oportunidade e Parabéns pelo Blog. Carlos Francisco Toledo: carlos@toledomusical.com.br e Facebook: https://www.facebook.com/carlosfrancisco.toledo.3

phillip f. roth disse...

No mesmo conceito idealizado para fazer de Campos do Jordão um polo cultural internacional de música a Escrita Criativa e Criação Monitorada, The Writer House , casa do escritor um espaço com mais de mil metros quadrados e está situado no ponto mais alto do país com acesso de carro, infraestrutura completa e estacionamento interno. The Writer House foi projetada para ser um lugar para os escritores e futuros escritores que virão para pensar, falar e escrever bem, e também para profissionais, executivos e empresas para desenvolverem processos criativos para as diversas áreas da arte , comunicação e marketing.
The Writer House é um ambiente único, que oferece aos melhores escritores do país que fazem desta casa um lugar para discutir a arte e o ofício de seu trabalho na companhia de seus pares ; inspirado no Hub City Writers Project americano , vem a desempenhar um papel vital na vida cultural na estância de Campos do Jordão , Estado de São Paulo, Brasil, inclusive de forma objetiva na cena cultural internacional e de turismo literário.
Venha conhecer The Writer House ,a casa do escritor projeto inovador , concebido e desenvolvido por empresas e profissionais de comunicação , marketing , turismo e conceituadas empresas de negócios .Um lugar de arte ,cultura literária próspera que continua a contar histórias exclusivas para leitores de todo o mundo de hoje e para o futuro.
Para muitos escritores,artistas e profissionais de comunicação, ter um espaço dedicado ao trabalho é essencial para a produtividade. Por outro lado, ser capaz de fazer uma pausa rápida para interagir com outros escritores e profissionais coachwriter (mentores) que oferecem uma rara oportunidade para limpar as teias de aranha de seu projeto e trocar idéias entre seus pares . The Writer House, a casa do escritor combina essas duas possibilidades sob o mesmo ambiente.
Você gosta de relaxar perto de uma lareira sentado em uma poltrona com o computador no colo, ou você prefere a estrutura de uma escrivaninha ou mesa? The WriterHouse abre seus portões e designou ambientes tranqüilos que estão confortavelmente mobiliados para uma variedade de estilos de trabalho. É a sua programação ditada por seus ritmos de trabalho. Acesso ao estacionamento interno através de um sistema de entrada sem chave por controle remoto, garante que você pode trabalhar quando é conveniente para você e na hora que lhe convier nos Studios TWH .Enfim,a estância de Campos do Jordão se inscreve de vez no cenário literário internacional com essa conquista, e tem entre seus pares escritores renomados in residence na The Writer House criando seus livros no cenário inspirador de sua beleza exótica e clima de montanha.

claus witting swift disse...

Muito bom o comentário ,realmente a estância é tudo de bom e sobre a The Writer House ,a casa do escritor é algo inovador em termos de Brasil e a escolha de Campos do Jordão para sediar este projeto inspirado num conceito igual americano não poderia ser diferente,pois,a região está localizada entre diversas cidades literárias como Taubaté ,a capital da literatura infantil e a cidade de Monteiro Lobato.Estive na Hub City ,e sei como esse projeto literário foi fundamental para a cidade Spartanburg, SC. Em maio de 1995, três escritores se conheceram em uma cafeteria com uma idéia para um livro, uma antologia sobre a experiência de viver em Spartanburg, SC. Desde então, o Writers Project Hub City já publicou mais de 65 títulos e 500 escritores, estabeleceu uma livraria independente, e desde a educação escrita criativa para milhares de pessoas.Parabéns para o Curador brasileiro da The Writer House ,a casa do escritor em Campos do Jordão

yara vargas disse...

Muito bom todos os comentários sobre a estância de Campos do Jordão, entretanto,a que mais gostei foi a dica para aqueles que gostam de cultura sobre a The Writer’s House ,a casa do escritor.Realmente é algo inovador em termos de Brasil e a escolha de Campos do Jordão para sediar este projeto inspirado num conceito igual americano e realmente a região está localizada entre diversas cidades literárias como Taubaté ,a capital da literatura infantil e a cidade de Monteiro Lobato.Também estive na Hub City -USA ,e pude ver o projeto literário da cidade Spartanburg, Carolina do Sul . Quando puder irei me inscrever no projeto brasileiro da The Writer’s House ,a casa do escritor em Campos do Jordão,e espero que me aceitem como escritora residente.

Postar um comentário