julho 02, 2014

PLANO REAL: NAS COMEMORAÇÕES AOS SEUS 20 ANOS A HOMENAGEM AO PRESIDENTE ITAMAR FRANCO!

                         Quando se comemora os 20 ANOS do PLANO REAL, nada mais justo do que relembrar o gesto de Estadista do Presidente ITAMAR FRANCO – o único PAI do PLANO REAL!
                           
    Em 05/07/2011, já fazíamos essa HOMENAGEM ao PRESIDENTE ITAMAR FRANCO:

    INGRATIDÃO: 20 Anos do Plano Real esquece o PAI DO REAL !!!

No final do artigo estão os links para os posts que trataram desse assunto na época devida. É muito feio querer se apropriar da obra alheia...
PAI DO PLANO REAL é o então Presidente da República, ITAMAR FRANCO!
FHC tem seu mérito, claro, como ministro do presidente Itamar Franco.
ministro Fernando Henrique Cardoso em despacho com o presidente da república Itamar Franco.

É isso!
HISTÓRIA CONTEMPORÂNEA DO BRASIL está cometendo essa grave distorção interpretativa: NÃO existe menção a ITAMAR FRANCO como PAI DO PLANO REAL e NEM existe citação de LULA como responsável pelo MENSALÃO ocorrido, sob as “suas barbas”, em seu governo, no governo do PT!
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA terá que CORRIGIR essa interpretação que beira à canalhice...

Coisas da política...

Abaixo, artigo de Carlos Chagas sobre a comemoração dos 20 Anos do Plano Real:

Coisas da Ingratidão
Carlos Chagas

                           
    Algum filósofo, quem sabe um santo, pode ser até que um político, terá meditado estar a ingratidão no rol dos maiores defeitos da pessoa humana. Tome-se a reunião solene realizada ontem pelo Congresso para comemorar os vinte anos do Plano Real. Nada contra, não fosse a pouquíssima importância que se deu a quem decidiu acabar com a inflação e colocou em risco seu próprio mandato e sua imagem para a História. Se não desse certo, ele seria o responsável.
Fala-se do ex-presidente Itamar Franco. O executor seria o ministro Eliseu Resende, infelizmente demitido dias depois de empossado por haver permitido que uma empreiteira pagasse suas diárias num hotel de Nova York. Coisa naqueles idos rotineira, como mais ou menos hoje. Com Itamar, porém, era na moleira: qualquer auxiliar acusado de irregularidades via-se imediatamente mandado embora. Que fosse defender-se fora do governo, retornando caso declarado inocente. No caso de Eliseu, não houve defesa.
Assim, o então presidente defrontou-se com grave questão: encontrar logo um novo ministro para desenvolver o plano de recuperação econômica ou cair no descrédito. Sem opções, apelou para seu ministro de Relações Exteriores, Fernando Henrique Cardoso, então posto em sossego e conformado em encerrar sua carreira política entre banquetes e coquetéis desimportantes. Não se reelegeria senador e, mesmo para deputado, não parecia fácil.
Itamar encontrou o sociólogo numa embaixada em Washington e, em curto telefonema, fez o convite. FHC refugou de imediato. De jeito nenhum. Não era economista e estava muito bem no Itamaraty. Foi dormir certo de haver espantado aquele fantasma descabido e impertinente.
De madrugada o telefone toca outra vez, agora no hotel. Itamar de novo, mais ríspido do que o normal, participando ter encaminhado às oficinas do Diário Oficial decreto nomeando Fernando Henrique ministro da Fazenda. Era acatar a disposição ou demitir-se do ministério das Relações Exteriores.
De volta no avião, aliás, de carreira, não demorou muito para absorver a nova situação e veio pensando como desatar aquele nó monumental. Pensou primeiro em Pedro Malan, depois em José Gregori e enfim naquele grupo de cabeludos do Departamento de Economia da PUC do Rio. Desembarcou entregando seu futuro a Deus, mas logo reuniu a equipe. Em poucos dias fluíram as sugestões tidas por muita gente como doidinhas, a começar pela mudança no nome da moeda. De cruzeiro para real.
Não se pode tirar de Fernando Henrique o mérito de ter enfrentado o desafio e de submeter-se às propostas do grupo recém formado. Claro que pensou na hipótese de, diante do êxito, transformar-se em candidato presidencial.
Quem tomou a decisão fundamental, porque política, porém, foi o presidente Itamar Franco.Nem ele nem o novo ministro da Fazenda entendiam de economia. Sendo assim, soou um pouco estranha a homenagem prestada pelo Senado por iniciativa de Aécio Neves, que centralizou em Fernando Henrique Cardoso as lantejoulas, confetes e serpentinas pelos vinte anos do Plano Real. Se Itamar não foi esquecido, viu-se ao menos posto em cone de sombra. Coisas da ingratidão…
(Blog da “Tribuna na Internet” – 26/02/2014)


                           
   
                           
 Eis um resumo do testemunho do ex-presidente Itamar Franco, poucos dias antes de seu passamento, publicado na íntegra no blogConversa Afiada, do jornalista Paulo Henrique Amorim:
“Para mim, Ricúpero [Rubens, ministro da Fazenda] é oprincipal sacerdote do Plano Real. Mais tarde tivemos ajuda, e grande, do ministro Ciro Gomes. Naquele momento, isso é o que o povo brasileiro não sabe, se for ler a história do real […], é o senhor Pedro Malan [ex-ministro da Fazenda]; senhor Pérsio Arida [ex-presidente do Banco Central], não sei mais quem…”.
Prossegue Itamar Franco: “De repente, até parece que foi o doutor Cardoso [FHC] que assinou a medida provisória [do Plano Real]”.
FHC deixou o governo em março e o Plano Real foi em julho de 1994.
“Ele tinha assinado a cédula [como ministro da Fazenda] e eu errei deixando que assinasse. Constitucionalmente, não podia”, lamentou Itamar.
                           
   
   O ex-presidente finalizou o depoimento com uma frase perturbadora para FHC:  “Ele entende de economia tanto quanto eu. Talvez eu entenda mais”.


                           
   
      Itamar Franco: Pai do Plano Real!/ leia aqui
FHC: Ministro/Arquiteto que venceu a inflação!/ leia aqui                   
                           
                           
                         
                           
                           
                           
                         
                           
                           
                           
                         
                           
                           
                           
                         
                           
                           
                           
                         
                           
                           
                           
                         

10 comentários:

Anônimo disse...

Duas imagens guardei de Itamar Franco: o homem simples que ficou muito magoado quando quiseram lhe negar a paternidade do PLANO REAL e a segunda imagem é a do Presidente da República que tem o seu mais próximo Ministro suspeito de ter comedtido irregularidades: afastou imediatamente o Ministro até que os fatos fossem devidamente apurados. O Ministro foi absolvido. Qto ao PLANO REAL, sempre é bom lembrar que em matéria de presidência da república vale aquela brincadeira do Jô Soares: SUB-CHEFE NÃO É CHEFE!!! Não importa que quem idealizou o PLANO REAL foi o competente Rubens Ricupero e nem se o FHC tirou proveito, o PAI DO PLANO REAL só pode ter sido o PRESIDENTE DA REPÚBLICA que era o ITAMAR FRANCO!!!
(jair.castro66@yahoo.com.br)

Anônimo disse...

Delmanto, sempre foi uma cantada em prosa e verso a esperteza do mineiro. A mineirice é considerada uma arte. E não deixa de ser verdade. Pegando só os casos mais recentes, vamos ver que os mineiros sempre estiveram na “boca” do Poder. No regime militar, acho que 3 mineiros foram vice-presidentes: José Maria Alckmin, Pedro Aleixo e Aureliano Chaves e, depois, o Itamar Franco. E para presidente, tivemos o Juscelino Kubischeck, o Tancredo Neves e o próprio Itamar...Etâ gente esperta! E nenhum deles ficou com a fama de mau caráter, o que é uma grande coisa. Vamos dizer, gente boa... Mineirinho bão...Que descanse em paz o Itamar e que tenha ido sem tanta mágoa pela ingratidão dos homens... (carlosantoniomascarenhas@yahoo.com.br)

Anônimo disse...

Olá, Delmanto.
João comentou a notícia Itamar Franco: Pai do Plano Real !.

Comentário:
Delmanto,
Políticos como Itamar já não existe mais.
Nobre, educado, gentil, culto, líder, inovador, nunca se vangloriou do que mais fez para o povo brasileiro (PAI DO PLANO REAL), deixou os outros levarem o nome.
Sou de um tempo que tínhamos um Carvalho Pinto, Faria Lima, Laudo Natel, homens com H maiúsculo e políticos com P maiúsculo, também.
Restou-nos um Collor, Fernando, Geraldo, Magalhães etc. etc
Sobram Maluf, Paolocci, etc. etc.
Nossos grandes estadistas foram-se sobraram as aves de rapina.

João Bosco.

Responda e leia mais no endereço http://www.dihitt.com.br/meu_conteudo#n=itamar-franco-pai-do-plano-real-&c=1284841

Anônimo disse...

Olá, estou seguindo seu blog!
Gostei muito da matéria sobre Itamar Franco.
Parabéns e muito sucesso!

Evanderson

Anônimo disse...


Junior Cury (Facebook):
PLANO REAL: NAS COMEMORAÇÕES AOS SEUS 20 ANOS A HOMENAGEM AO PRESIDENTE FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

Anônimo disse...

Antonio De Oliveira Moruzzi (Facebook):
Uma correção se faz necessária caro e querido amigo Armando.... o Plano Real foi elaborado , no governo do presidente Itamar Franco a pedido de Fernando Henrique Cardoso que criou grupo composto por : - André Lara Resende, Edmar Bacha, Gustavo Franco, Pedro Malan e Persio Arida... Itamar Franco teve o grande mérito de apoiar o projeto e segurar as rédeas dos políticos para que tal plano não desmoronasse, como aconteceu com o cruzado de Sarney... Rubens Ricupero, sucedeu Cardoso quando ele desincompatibilizou-se para disputar a presidência . Por problemas ocorridos em uma gravação televisiva Ricupero caiu do ministério em plena campanha eleitoral e, imediatamente Itamar substituiu-o por Ciro Gomes que renunciou ao governo do Ceará, para espanto até de FHC , para ser o novo ministro da Fazenda... Curiosamente já lí no face ... até o disparate de que foi Ciro Gomes o idealizador do Plano Real... O que não me espanta muito... pois alguns já me disseram em tom de absoluta verdade de que o Real é obra de Lula!!! O importante em tudo isso é que se Itamar Franco nao fosse o Homem decidido, honrado e íntegro , que era... sem dúvida o Real também teria fracassado!!!

Delmanto disse...

O então presidente da república, Itamar Franco, é merecedor de todas as homenagens. E o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, também. Tanto é assim que fiz um post : “FHC: Ministro Arquiteto do Plano Real, veja no link abaixo:
http://blogdodelmanto.blogspot.com.br/2011/06/fhc-ministro-arquiteto-que-venceu.html
E a bem da verdade, Moruzzi, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também deve ser homenageado por ter mantido o Plano Real, para surpresa de muitos, pois Lula sempre foi um crítico do Plano Real, tendo orientado o PT para votar contra... Em todo caso, manteve o Plano Real.
No post, amigo Moruzzi, repito um chavão do Jô Soares:
“Sub-Chefe não é Chefe, quero falar com o Chefe...”
RESUMINDO: Quem foi o responsável pelo Plano Real foi o Presidente da República que era o Itamar Franco. O criador da Petrobras foi o presidente que assinou o ato de sua criação, ou seja, o presidente Getúlio Vargas, embora tenha sido contra ela e até de ter mandado prender Monteiro Lobato, que era um propagandista do Petróleo Brasileiro. É isso.
Da mesma forma, o responsável pelo Mensalão foi o presidente da república, Luiz Inácio Lula da Silva, pois foi durante sua gestão que o crime ocorreu. Só não foi responsabilizado porque a Oposição da época, comandada pelo PSDB, NÃO quis acusar o presidente Lula temerosa de uma crise institucional.
Ainda reforçando essa máxima de que é o titular que merece o crédito, lembro de uma publicação do Estadão que dizia que “...Júlio de Mesquita Filho fora o fundador da USP – Universidade de São Paulo...” Na época escrevi artigo dizendo que quem foi o criador da USP foi o governador Armando de Salles Oliveira. Júlio de Mesquita Filho, cunhado de Armando, assim como outros tantos entusiastas, ajudaram e incentivaram a criação da melhor universidade do Brasil.
Valeu, Moruzzi.
Como sempre, um observador atento da vida nacional, com a ponderação e o brilho do cidadão competente e participativo.
Grande abraço.

Anônimo disse...

Olá, Delmanto.

Eder Fonseca comentou a notícia PLANO REAL: NAS COMEMORAÇÕES AOS SEUS 20 ANOS A HOMENAGEM AO PRESIDENTE ITAMAR FRANCO!.

Comentário:
O que é chato nesse país é que sempre que falam de Itamar, não mencionam esse feito extraordinário para a economia do país. Lembram dele como um presidente caricato, o senhor do topete ou pela falta de calcinha de sua ex Lilian Ramos na Marquês de Sapucaí.

Responda e leia mais no endereço http://www.dihitt.com/meu_conteudo#n=plano-real-nas-comemoracoes-aos-seus-20-anos-a-homenagem-ao-presidente-itamar-franco&c=1756415

Anônimo disse...

O Plano Real
Naquela época, O Brasil estava na m.... .3 ministros da fazenda em 7 meses.FHC foi intimado para ser ministro da fazenda.Eu estava trabahando no computador ,quando vi pela TV, uma enquete dado Lula 50,0 % para a presidencia.Foi neste momento que eu pensei ,”que m.... de país eu fui nascer.Meus olhos estavam ardendo por causa do video 14”,mas minha menta estava 100%.Fechei os olhos e comecei a desenvolver a lógica do plano real.Bom , 2 dias depois ,indo FGV-rj para pegar dados de outros paises acabei matado a charada da inflação no Brasil.Pensei em mostrar aos pessoal da PUC-rj , mas logo me veio na cabeça ,”vão me enrolar “..Por coisas da vida, O pai do Flavio Meira Penna foi embaixador na Polônia, Suiça e ONU, e estava aposentado e morando em Brasila.Foi neste momento que eu pensei “Ai esta o canal,FHC -ONU”.Depois de algumas semanas O Flavio começou a fazer varias perguntas sobre o plano,do tipo 1-“O que voçe quer dizer período trasitório de 3 a 4 meses . 2- O governo precisa cortar 20% dos gastos. Foram + de 50 perguntas até dez 94.Quando eu perguntei para o Flavio .”O cara esse plano é meu .Ele respondeu ,Leusin ,voçe não pediu sigilo e outra, eles querem que voce vá para Brasília,eu recusei.Eu só voltei a ter contato com o Flavio em 1997,por telefone ,quando ele trabalhava no JB –rj.A primeira fala dele foi “demorou”.Foi combinado de almoçar no outro dia, oque não aconteceu ,por que ele ligou para Brasilia e a ordem era “ O Leusin não pode aparecer”. Eu ´so fiz uma única pergunta “O Presidente e o Malan sabiam das nossas conversas. Ele respondeu “ Leusin, sempre foram os maiores interesados”.A partir então ,eu passei a mandar cartas registradas ao Presidente FHC .Tipo,out-98 ia haver a desvalorização do Real.FHC foi a TV falar dos problema no proximo governo.Outra carta,Mar-99 ,R$ 2,15, como deveria proceder para colocar o dólar a 1,75.Arminio Fraga ganhou o crédito.Arminio deu um empreginho a minha sobrinha ”Cintia”no Fundo dele , adiministrado pelo primo..Eu falei para o meu irmão que não gostei disso. Outra carta 2001 ,a Argentina estava com problemas meses antes da derocada. .Mas era querida do FMI. O Brasil saiu íleso.Outra carta “Apagão Eletrico”, nessa eu exagerei, dei um exporo.Na minha área Engenharia Elétrica .Bom, em mar 2002 ,o pessoal do PT ficou sabendo ,quem eu era .E me usaram também.Voltando ao plano real,eu falei ao Flavio “Dá pra fazer FHC presidente”.Eu fui questionado depois “Tem certeza FHC, Presidente.Eu falei ,mole 45% ,2* turno.Eu errei , foi no 1*.E tem muito mais.bye.

Delmanto disse...

O comentário acima é anônimo. Feito às pressas contém alguns erros de português, talvez propositais.
O Blog do Delmanto não costuma publicar e-mails anônimos. Mas este é diferente, eis que provoca o debate sobre as origens e a paternidade do Plano Real. Só por esse motivo é publicado.
E, aproveitando o tema, vamos reler a versão sobre o Plano Real do seu Criador, do Pai do Plano Real, Itamar Franco:
Eis um resumo do testemunho do ex-presidente Itamar Franco, poucos dias antes de seu passamento, publicado na íntegra no blogConversa Afiada, do jornalista Paulo Henrique Amorim:
“Para mim, Ricúpero [Rubens, ministro da Fazenda] é oprincipal sacerdote do Plano Real. Mais tarde tivemos ajuda, e grande, do ministro Ciro Gomes. Naquele momento, isso é o que o povo brasileiro não sabe, se for ler a história do real […], é o senhor Pedro Malan [ex-ministro da Fazenda]; senhor Pérsio Arida [ex-presidente do Banco Central], não sei mais quem…”.
Prossegue Itamar Franco: “De repente, até parece que foi o doutor Cardoso [FHC] que assinou a medida provisória [do Plano Real]”.
FHC deixou o governo em março e o Plano Real foi em julho de 1994.
“Ele tinha assinado a cédula [como ministro da Fazenda] e eu errei deixando que assinasse. Constitucionalmente, não podia”, lamentou Itamar.


O ex-presidente finalizou o depoimento com uma frase perturbadora para FHC: “Ele entende de economia tanto quanto eu. Talvez eu entenda mais”.

Postar um comentário