janeiro 17, 2015

PEDUTÃO: Comendador Emílio Peduti Empresário empreendedor, Homem Público, Cidadão Benemérito e Comunicador Pioneiro!

PEDUTÃO
Comendador Emílio Peduti:
Empresário empreendedor, Homem Público, Cidadão Benemérito e Comunicador Pioneiro!



Emílio Peduti nasceu em Botucatu (27 de maio de 1904), filho de José Peduti e Ernesta Boreli Peduti. Foi casado com Maria do Carmo Tôrres Peduti, com quem teve os filhos Lourdes, Maria Rosa e Emílio Peduti Filho, casados, respectivamente, com Antonio Soares Batista, Braz de Assis Nogueira e Lúcia Martins Barros Peduti.
Formou-se em Contabilidade pela Escola de Comércio Álvares Penteado, em São Paulo, passando a exercer suas atividades profissionais em Botucatu. “Descoberto” profissionalmente pelo banqueiro Francisco Botti, logo assumiu a gerência do Banco Francês e Italiano. Entrou para o ramo de diversões, culminando com o empreendimento pioneiro no Estado de São Paulo: a EMPRESA TEATRAL PEDUTI, com rede de cinemas por todo o interior do estado. 

Era incalculável o seu poderio. Era, sem dúvida, um dos mais poderosos capitalistas do estado. Até sua morte prematura, em 1963, a ETP ainda dominava o interior do estado e a TV ainda estava engatinhando... Já nos anos 70, a TV dominava o entretenimento da população e os cinemas foram ficando vazios...A ETP entrou em concordata...



É muito difícil conseguir dar o perfil de um homem tão facetado em suas capacidades. Cidadão probo, entrou na política como um abnegado, comunicador nato fundou as duas primeiras rádios de Botucatu, foi empresário cinematográfico poderoso, benemérito social, enfim, foi um botucatuense que honrou a história da Cidade dos Bons Ares e das Boas Escolas.


Acervo Diagrama/Edil Gomes

Foi muito homenageado após sua morte. A Praça João Pessoa (praça do bosque) recebeu o nome de Praça Comendador Emílio Peduti. Uma estátua de Emílio Peduti foi colocada na praça que leva seu nome. Um busto de Peduti foi colocado na Misericórdia Botucatuense, onde foi Presidente ou Provedor de 1937 a 1963, quando faleceu. E um outro busto foi colocado no jazigo da família.
Em 27 de maio de 1988, quando era diretor da FOLHA DE BOTUCATU, fiz um editorial em sua homenagem:



emílio peduti

Hoje, a praça do bosque leva o seu nome, mas durante muito tempo ele percorreu cada uma das ruas que formam esse tradicional recanto de lazer dos botucatuenses, como a deixar a sua marca, a sua lembrança e o seu exemplo de cidadania. Quer como morador, em seu solar então localizado na rua amando de barros, defronte à praça. Quer como bem sucedido empresário que comandava os seus negócios de seu escritório localizado na descida da praça, à rua Marechal deodoro. Quer como cidadão solidário que com seriedade acompanhava e respeitava os trabalhos da Loja maçônica situada na subida da praça, à rua Major Leônidas Cardoso. Quer como competente Prefeito Municipal que cuidava dos interesses de Botucatu, de sua cidade natal, diretamente do paço municipal então localizado na rua joão passos, na parte alta da praça.
Hoje, a praça do bosque merecidamente leva o seu nome: há 25 anos falecia no comando do destino de Botucatu.
Hoje, a praça do bosque leva o seu nome. Lá está a sua estátua, oferta anônima de toda a população que participou com a aquisição de bônus para a sua construção, como pleito de gratidão àquele que acreditava em sua terra e em sua gente.
Homenagem merecida.
Homenagem conquistada dia-a-dia, a pouco e pouco.
Duas vezes prefeito municipal. Com sucesso.
Comendador Emílio Peduti.
Prefeito Pedutão.
Saudades.
Armando Delmanto – diretor

Hoje é impossível imaginar o poderio da EMPRESA TEATRAL PEDUTI. E no auge de sua carreira de empresário, Emílio Peduti tinha a maioria das propriedades de seus cinemas pelo interior do estado, além de fazendas e outros empreendimentos. Vamos tentar traçar seu perfil abordando aspectos importantes de sua vida.

COMUNICADOR PIONEIRO

Homem de visão e voltado ao entretenimento, Emílio Peduti queria para Botucatu uma rádio como estava ocorrendo na capital da república (Rio de Janeiro) e em São Paulo. Em parceira com os Irmãos Bacchi, Emílio Peduti idealizou a criação, mediante ações participativas da população, de uma emissora de rádio. O controle acionário era dele e dos Bacchi. E a 30 de outubro de 1939, surgia a Rádio Emissora de Botucatu – PRF-8. Tudo era novidade para Botucatu que se orgulhava dessa importante conquista. Com programas musicais, rádionovelas e programas de auditório, a PRF-8 ia fazendo sucesso. Um de seus diretores foi Angelino de Oliveira, consagrado compositor brasileiro.


RÁDIO EMISSORA DE BOTUCATU - PRF-8

Com a política muito forte na região, eis que era de São Manuel o governador Adhemar de Barros, a rádio que surgira de uma subscrição popular, mas com o controle dos capitalistas Bacchi e Peduti, foi vendida para o “esquema político” do governador, em nome de seu irmão Geraldo de Barros, sendo posteriormente passado o controle acionário para a família Paganini. O jornal “DEMOCRACIA”, de 08/01/1950, trazia a notícia:
“A venda da Rádio Emissora repercutiu mal nos meios pessedistas locais. Como noticiamos em nosso número anterior, a Rádio Emissora de Botucatu, sociedade anônima cujas ações estavam em sua quase totalidade em mãos de dois capitalistas botucatuenses, próceres do PSD, foi vendida pela vultuosa e absurda quantia de 1.400.000,00 cruzeiros, quando seu valor real não passa de 400.000, quando muito...” E arrematava: “O  pasmo dos pessedistas locais tem sua razão de ser, ainda mais, pelo fato da venda ter-se realizado na ocasião mesma em que se anunciava com grande estardalhaço a coligação de diretórios com o fito de obter grande vitória eleitoral para o partido, resultante da união de forças e de interesses, para o qual é essencial um bom veículo de propaganda, qual seja a nossa PRF-8”
De fato, acordou-se a eleição para a presidência da Câmara Municipal de Botucatu, em 1949, lançamento de candidato único a Deputado Estadual na região (quando foi eleito o vereador Jayme de Almeida Pinto) e a eleição para Prefeito Municipal, em 1951, tudo com o APOIO DO ESQUEMA ADEMARISTA.
E Emílio Peduti se elegeu Prefeito Municipal em 1951 e viu a importância que teve a rádio em sua campanha. Quando estava à frente da Prefeitura, pela segunda vez, em 1962, Emílio Peduti (eleito em 1959), Pedutão sentia que as coisas não andavam bem... Já adoentado, Pedutão enfrentava feroz oposição. Alguns vereadores situacionistas já começavam a formar o Bloco Independente. PEDUTI COMEÇAVA A FICAR SÓ...Era pouco apoiamento político que dispunha. Um desses apoios e que permaneceu até sua morte, quando faleceu no exercício do cargo, foi de meu pai, Antônio Delmanto.

RÁDIO MUNICIPALISTA DE BOTUCATU

Foi antes do agravamento de seu estado de saúde, que Emílio Peduti realizou, em 1962, mais um grande empreendimento: a fundação da RÁDIO MUNICIPALISTA DE BOTUCATU. Era importante a atuação de uma emissora junto à população. Em sua primeira eleição, Peduti já sentira isso. Agora, em uma fase difícil na política, chegara à conclusão que precisava contrabalançar as forças da comunicação radiofônica. E pela segunda vez, fundou uma rádio em Botucatu. Até hoje a Rádio Municipalista pertence à família Peduti.

É REGISTRO HISTÓRICO!


CIDADÃO BENEMÉRITO


A atuação de Emílio Peduti à frente da MISERICÓRDIA BOTUCATUENSE é digna de registro. Mas aqui é preciso dar destaque a atuação, em dobradinha cívica, de Peduti e de meu pai, Antônio Delmanto. Tanto Peduti como Delmanto participaram e tiveram papel de destaque nessa 2ª fase da Misericórdia Botucatuense. Convocado, Antônio Delmanto assumia, em 1937, a Direção Clínica do Hospital. A situação era grave. Os médicos haviam se afastado do Hospital. Urgia uma solução. Delmanto, retornando a Botucatu após seu curso de Medicina no Rio de Janeiro e estágio de 2 anos na Santa Casa de São Paulo, aceitou o desafio. Montou um excelente Corpo Clínico e remodelou e modernizou a infraestrutura hospitalar.


 Da mesma forma, em 1937,  Emílio Peduti, empresário bem sucedido, é convocado para gerir a Diretoria Administrativa da Misericórdia. A grave situação econômico-financeira precisava de uma estabilidade urgente. A escolha para essa empreitada não poderia ter sido melhor. Pedutão sabia administrar e sabia manter o comando. Antônio Delmanto permaneceu como Diretor Clínico de 1937 a 1951. Emílio Peduti permaneceu como Presidente de 1937 a 1963.


clique na imagem para ampliá-la

Pois bem, Emílio Peduti já tivera, em 1936, uma experiência política quando fora candidato a vereador e conseguira obter suplência (Jayme de Almeida Pinto, vereador, tirava licenças para propiciar a que Peduti assumisse a vereança por breves períodos). No ano de 1947, ano da redemocratização do país após a Ditadura de Getúlio Vargas, Peduti tenta novamente a vereança e se elege com 276 votos pelo PSD. Antônio Delmanto, após seu regresso a Botucatu, tenta pela primeira vez a vereança e se elege vereador com a maior votação, 945 votos, pela UDN. A votação recebida representou um recorde individual de votos até hoje não suplantado (proporcionalmente ao número de eleitores, quando obteve 11,54% dos votos válidos).
Sendo o mais votado, Delmanto assumiu a presidência da Câmara Municipal e começou a trabalhar, com sucesso, pela eleição de Emílio Peduti como vice-presidente. A dobradinha estava dando certo e precisava continuar...
Emílio Peduti, em declaração ao jornal “Correio de Botucatu”, de 05/05/1949, fazia o seu posicionamento: “O Antoninho será o Prefeito de Botucatu, com o apoio do PSD.” “...Dias atrás, em ligeira palestra que manteve com a nossa reportagem, o Sr. Emílio Peduti, do PSD, referiu-se diretamente ao assunto, fazendo questão de frisar ao repórter: “O Antoninho (Delmanto) será o futuro prefeito de Botucatu, com o nosso apoio.”E foi mais além dizendo: “Se na eleição passada, a UDN tivesse lançado a candidatura do Antoninho, nós teríamos retirado a do Lunardi (Oswaldo) e a coisa seria uma “barbada”.”
Resumindo: Antônio Delmanto e Emílio Peduti foram candidatos a Prefeito Municipal. Emílio Peduti foi o vencedor.



Após a campanha eleitoral de 51 e antes da divulgação do resultado, Peduti e Delmanto realizaram memorável churrasco de confraternização. Eram outros tempos e outros homens.


Depois da “quarentena” eleitoral, Peduti e Delmanto reataram o relacionamento. Por decisão de Pedutão, a Comissão encarregada do 1º Centenário de Botucatu (1955), acatou a sugestão de Delmanto para que os grandes vultos do passado fossem homenageados, com a colocação de bustos em praça pública (Virgínio Lunardi, Amando de Barros, Antonio José da Costa Leite, Raphael de Moura Campos).



clique na imagem para ampliá-la


Como já destaquei anteriormente, que em seu segundo mandato, Peduti fora eleito com o apoio da UDN e sofria violenta e cruel oposição e um de seus apoios, até seu falecimento, foi de Delmanto.

A GRANDE CONQUISTA: FCMBB!


Está destacado no histórico da conquista da FCMBB – FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E BIOLÓGICAS DE BOTUCATU o papel do Arcebispo de Botucatu, Dom Henrique Golland Trindade como Coordenador da Luta pela conquista de nossa Faculdade de Medicina. Devido às diferenças políticas, tanto Jânio Quadros como Carvalho Pinto preferiram que houvesse uma paz política sobre o comando de Dom Henrique. No entanto, era indiscutível o prestígio de Emílio Peduti, como prefeito e como empresário poderoso junto ao esquema de Jânio/Carvalho Pinto. A foto da assinatura pública da autorização para a implantação da FCMBB, quando Delmanto o representou ao lado do Governador Carvalho Pinto, consagra Pedutão como o grande homem público que soube defender Botucatu e suas conquistas!

50 Anos da Faculdade de Medicina de Botucatu/leia aqui


A maior conquista de Botucatu ! - 1962 - O Governador Carvalho Pinto, em praça pública, aguarda a leitura do ato oficial da criação da FCMBB - Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu. No palanque oficial, à esquerda os radialistas Jaime Contessote (Rádio Municipalista) e Plínio Paganini (também vice-prefeito, pela PRF-8) e, ao centro, entre as auoridades estaduais e municipais, o Dr Antonio Delmanto, oGovernador Carvalho Pinto e a primeira-dama Dona Yolanda.
Esse foi Pedutão sob alguns aspectos de seu rico perfil de Cidadão Exemplar e Homem Público Respeitável!

É REGISTRO HISTÓRICO!


54 comentários:

Delmanto disse...

Armando Moraes Delmanto Mais de 50 anos após a morte de EMÍLIO PEDUTI é preciso resgatar o perfil desse CIDADÃO BOTUCATUENSE como exemplo para as futuras gerações. Hoje, a EMPRESA TEATRAL PEDUTI que tinha uma rede de cinemas por todo o Estado de São Paulo não existe mais e poucos sabem de sua grandiosidade. À época, Emílio Peduti era um dos mais poderosos capitalistas do estado mas era, também, um empreendedor pioneiro na área do entretenimento e um político que soube valorizar Botucatu e suas conquistas.
PEDUTÃO, como era chamado, soube fazer o seu tempo. Fez história e obteve conquistas.
É REGISTRO Histórico!

Anônimo disse...

Nina Pedroso (Facebook):
Armando,gostei muito, vou compartilhar com minhas irmãs e prima,afinal elas não conheceram o tio Emilio.Abraço.

Anônimo disse...

Sydney Jose Castro (Facebook/Pernambuco):
Armando,,hoje o FB esta repleto de MEMORIAS da cidade dos Bons Ares, são fotos de estabelecimentos,escolas,igrejas e agora o Saudoso e eminente politico da Era PEDUTTI, parabens a vc mais uma vez e aos familiares que ainda da terceira geração. Devem estar ainda na bela Botucatu. Esse ano dia 14 de abril completa 160 anos de emancipação politica, um sabado de carnaval, o Sr Prefeito deve estar com a agenda para essa comemoração,

Anônimo disse...

Maria Thereza Cunha Delgallo (Facebook):
Parabéns por resgatar fatos, pessoas, acontecimentos ... Não podemos "não ter memória " ..

Anônimo disse...

Maria Soares Losi (Facebook):
Parabéns ,foi sem duvida um grande botucatuense.

Anônimo disse...

É interessante, Delmanto, a posição de Emílio Peduti contrária à industrialização de Botucatu. Isso levou a que Botucatu perdesse muito em relação a Bauru que deslanchou na industrialização. A Brahma e a Antárctica queriam instalar industrias em Botucatu, pela qualidade da água, chegando até a comprar fazenda para isso. A Vila Antártica tem esse nome por isso. O Pedutão brecava sempre.
No livro “Gente de Dantes – Homens de Antigamente”, 2004, de Luiz Baptistão, à pág. 372, ele registra o posicionamento de Peduti: “ – Na minha opinião entendo que devemos trazer para Botucatu, mais escolas, outros hospitais especializados, como também sedes de novas repartições oficiais. No seu conjunto, também, estudantes de outras cidades pequenas, faltas de recursos financeiros para instruí-los, pelo que enviarão seus filhos para aqui.,, E, muito importante, não poluem nossos ares, nossas águas e tudo o mais.”
E, assim, a Brahma foi para Agudos e a Antártica sumiu...
É uma opção muito discutível.
(haroldo.leao@hotmail.com)

Anônimo disse...

Armando Jesus Barbieri Barbieri (Facebook/ABL):
Conheci quando prefeito ! Saia com os trabalhadores as 7,00 horas com um chapelão na cabeça acompanhando a turma !

Anônimo disse...


Patricia Peduti Solanes (Facebook) compartilhou a foto de Armando Moraes Delmanto.

Adorei conhecer mais sobre a vida do meu tio avô.!!!!!!!

Anônimo disse...

Maria De Lourdes Fumis (Facebook):
Mandava passar filme na praça da Vila maria para o povo! Era criança e adorava assistir.

Anônimo disse...

Antonina Mendonça (Facebook):
Grande prefeito Parabéns Armandinho pela matéria. Abraços.

Anônimo disse...

Já é folclore na política de Botucatu as estórias que contam do poderio econômico da empresa do Peduti. Um dos relatos é sobre a difícil reeleição de Peduti frente a candidatura de José da Silva Coelho/Plínio Paganini. Coelho vivia o melhor momento de sua carreira política. Era muito popular.
No seu grande comício na praça do paratodos, Coelho lotou a praça e a população foi ocupando a rua amando até o hotel paulista. Foi um sucesso. Coelho, infelizmente, estava ganhando a eleição uma semana antes do dia de votação.
Esse foi um aviso claro. A campanha de Peduti se mobilizou e fez um trabalho minucioso em todos os bairros. Dizem que correu dinheiro à vontade. Afinal, era preciso reverter essa situação.
Naquela época não havia televisão e o cinema era a grande atração. E o grande ídolo do cinema brasileiro era o Mazzaropi.
No grande comício de encerramento da campanha de Peduti, a anunciada presença de Mazzaropi congestionou a cidade. Foi uma movimentação nunca vista. Emílio Peduti ganhou as eleições.
O outro relato é sobre as festividades do 1º Centenário de Botucatu. Resolveram fazer um concurso para eleger a Miss Centenário. Os votos seriam vendidos para a população e a candidata que vendesse mais votos, se elegeria. A renda iria para as entidades sociais. Havia uma candidata linda, morena, simpática, filho do fazendeiro Joaquim André. Ela era a preferida dos jovens estudantes e a sua campanha mostrava que seria vitoriosa. Mas havia uma outra candidata, simpática, de olhos azuis e pele alva. E era namorada do Emílinho Peduti... Na arrancada final, a filha do prefeito Peduti, Lourdinha, despejou verdadeira fortuna na compra de votos para sua então cunhada. O resultado não deixou dúvidas: a vencedora foi a candidata de olhos azuis...
(luisroberto-souza@yahoo.com.br)

Anônimo disse...

Iolanda Bacchi (Facebook):
Saudoso prefeito! Político de verdade como já não se tem mais! Tivemos a honra de conhecê-lo, pois meu saudoso esposo trabalhou ao lado desse grande político na sua gestão!

Anônimo disse...

Em Botucatu todos abiam: Emílio Peduti não recebia dinheiro da Prefeitura. O seu salário ia para entidades assistenciais. Não raras vezes, Peduti punha seu próprio dinheiro para pagar os salários dos empregados. Foi um grande político. (haroldo.leao@hotmail.com)

Anônimo disse...

Djanira Genovez
(Facebook):
Gostava muito dele...Eu criança ,acompanhava meu pai para cortar o cabelo dele em sua residência ...Onde hoje é a Jô calçados...Saudades...

Anônimo disse...

Maria José Maurício Barbosa (Facebook):
deixou saudades!!!!!

Anônimo disse...

Ramiro Vióla (Facebook):
TEMOS QUE DAR VALOR A QUEM MERECE, PEDUTÃO FOI UM GRANDE HOMEM PUBLICO, MEU TIO FRANCISCO VIEIRA, DE SAUDOSA MEMÓRIA, ME CONTAVA QUE O SR. EMÍLIO QUANDO PASSAVA ALI PELO JARDIM DO BOSQUE NA HORA DO ALMOÇO E COMIA UMA COLHERADA DE CADA UM DOS JARDINEIROS QUE LÁ ESTAVAM ALMOÇANDO À SOMBRA DE ALGUMA ÁRVORE, REALMENTE UM HOMEM DO POVO.

Anônimo disse...

Em suas campanhas políticas, Emílio Peduti era conhecido como o “homem do chapéu de palha”, por sua identificação com o caboclo simples, o caipira do interior. Saia bem cedo de caminhonete, com seu chapéu de palha e ia visitar as obras da prefeitura nos bairros de Botucatu. Era um homem simples e muito trabalhador. O Pedutão, como era chamado, era estimado e respeitado pelos botucatuenses.
(carla.bueno2011@bol.com.br)

Anônimo disse...


Silvio Poggi Nunes (Facebook):
Descobri o banco onde meu avô trabalhou Banco Francês e Italiano, onde foi tesoureiro, era tio do Mário Botti e inqulino deles na rua Augusta.

Anônimo disse...

João Buraco. O Peduti elegeu seu sucessor, o médico João Reis. Ele elegeria qualquer um. Tinha feito uma boa gestão e foi o prefeito do centenário. João Reis como prefeito não ia bem. Eram muitos buracos nas ruas. A família Peduti e seus amigos ficaram desconfiados de João Reis. A volta do Peduti já estava certa, mas ele era do mesmo partido do João Reis, o PSD. A oposição estava explorando muito, na rádio, a má gestão do prefeito. A “pedutada” começou a achar que João Reis estava fazendo corpo mole para ajudar a oposição. A vitória de Peduti foi suada, muito suada, a dupla Coelho e Plínio estava em campanha há muito tempo e com a ajuda da rádio.
Emílio Peduti conseguiu ganhar mas nunca mais perdoou João Reis. Na sucessão de Peduti, João Reis saiu candidato e foi derrotado pelo Amaral de Barros. O Peduti já havia falecido e era o Plínio que estava na prefeitura como vice. Dizem que a família Peduti ficou satisfeita com a derrota de João Reis que nunca mais ganhou uma eleição em Botucatu. (jair.castro66@yahoo.com.br)

Anônimo disse...

Ramiro Vióla (Facebook): compartilhou a foto de Armando Moraes Delmanto.

VALE APENA LER E SABER UM POUCO DESSE BOTUCATUENSE FANTÁSTICO, EMÍLIO PEDUTI.

Anônimo disse...

Maria Luiza Maganha (Facebook):
Fico muito feliz por saber um pouco sobre esse grande prefeito e empresário!

Anônimo disse...

Eduardo De Campos Maitan (Facebook):
Grande Pedutão, talvez um de nossos melhores prefeitos.

Anônimo disse...

Djanira Genovez (Facebook)compartilhou a foto de Armando Moraes Delmanto.

Grande personalidade

Anônimo disse...


Sydney Jose Castro (Facebook):
Permaneceu em toda sua existência (Casino) com apenas um"S". ,

Anônimo disse...

Maria Thereza Cunha Delgallo(Facebook):
Armando, lembra-se dos "lanterninhas", da cortina de veludo ... e a música e o jogo de luz antes de começar as sessões? Que saudade!

Anônimo disse...

Nina Pedroso (Facebook):
E o namorado sentava na poltrona reservada (Casino),qdo as luzes se apagavam e tocava a musica que ainda me lembro.

Anônimo disse...

Grace Maria Mattos (Facebook/Venezuela):
RECORDAR É VIVER E EU ME LEMBRO DE TUDO , DE TANTOS DOMINGOS (CASINO) AS 6 TARDE....E DEPOIS PASSEAR NA RUA MAMNDO KKKKKKK

Anônimo disse...

Meu caro Delmanto

Não tenho palavras para te agradecer!
Emocionante!
Muito importante para a família.
Muito obrigada.
Deus te abençoe.
Com carinho.

Titiza Nogueira (filha de Dona Rosita Peduti Nogueira e do ex-Deputado Federal Braz de Assis Nogueira)

Anônimo disse...

Eunice Lima (Facebook):
Saudades!

Anônimo disse...

Neuza Moises Rezende Leite (Facebook):
Lembro muito também...das matinees e as duas sessões a noite....grande casino!! Era um programasso!!

Anônimo disse...

Aurea Maria Morato Eichenberger (Facebook):
Muita saudade!!!Lembro - me perfeitamente!!!Os namoradinhos esperavam apagar as luzes para sentar ao nosso lado!!!Tempo bom e de boas lembranças!!!

Anônimo disse...

Rosa Nepomuceno (Facebook/Rio de Janeiro):
O sodade...lembro de tudo e do meu ze alfredo nas sessoes das seis de domingo...depois passeio e sorvete no bosque e depois a brincadeira dançante no 24 de maio!

Anônimo disse...

Carmem Lúcia da Silva (Facebook):
Quando assisti ao filme: Cinema Paradiso eu me lembrei muito do cine Casino e do Professor Gamito.

Anônimo disse...

Tânia Jacobucci (Facebook):
muiiitoooo

Anônimo disse...

Maryan Lopes Allegreti (Facebook):
Eu me lembro desse cinema nas minhas férias escolares eu e minha irmã íamos a Botucatu na casa do meu tio Progresso Garcia na rua Curuzu que saudades das férias em Botucatu onde nasci bjsssssssss

Anônimo disse...

Tânia Jacobucci (Facebook):
saudades

Anônimo disse...

Tânia Jacobucci (Facebook):
Cláudia Lis , mostra para o Lino, Mara Lis Fortes

Anônimo disse...

Tânia Jacobucci (Facebook):
Jane De Castro Lopes veja isso

Anônimo disse...

Rancho Dos Moreci (Facebook):
saudades

Anônimo disse...

Tânia Jacobucci (Facebook):
Saudades do meu querido Tio Emílio Peduti , que tanto fez ao nosso estado e ao seu município !!!

Anônimo disse...

Jacira Amaral (Facebook):
Esse era O KARA...a disputa mais linda que recordo em política foi EMILIO PEDUTTI X JOSÉ DA SILVA COELHO, a cidade fervia, coisa linda....

Anônimo disse...

Ilza Maria Nicoletti Souza (Facebook):
Como esquecer esse cinema ??? Como esquecer a importância da Cinematografia para Botucatu ?
Cresci dentro dessas paredes . A primeira Sala de Projeção de Botucatu foi de meu bisavô Cesar Francischini .Depois veio a era Chiaradia e Peduti .Quando o Sr. Emilio saiu do banco meu avô o convidou para juntos montarem um cinema . Foram associados por muitos anos . Desfizeram a sociedade e o Sr. Emilio seguiu sòzinho . Quantas lembranças !!!! Meu pai trabalhou como cinematografista dos 16 anos até se aposentar . Quantas histórias !!!!

Anônimo disse...

Claudia Pedroso (Facebook):
Quanta saudade ! E a Cinderela , ao lado !?

Anônimo disse...

José Angelo Potiens (Facebook):
Acima do Casino ficava, além da Cinderela, o Bar do Dezem. Quanto caldo de cana eu bebi ali. A foto cutuca saudades imensas da minha Botucatu natal.

Anônimo disse...


Antonina Mendonça (Facebook):
Quantas matinês! Sessão das 14h, domingo. Saudades!!

Anônimo disse...

Roberto Menegon (Facebook):
quantas saudades desse cinema em que entravamos sem pagar porque "meu pai tem permanente" e nem sabíamos o que isso queria dizer rsrsrsrsrsrs

Anônimo disse...

Maria De Lourdes Camilo Souza (Facebook):
Íamos pelo menos umas três vezes por semana! Que saudades!

Anônimo disse...

Armando Jesus Barbieri Barbieri (Facebook):
Trabalhei no Dep. Geral de Filmes ! Presenciei as cinzas do Spéria!

Anônimo disse...

Armando Jesus Barbieri Barbieri (Facebook):
Jurandir Trenche, Marinho Simões, Gregório Freires, João Passos,Orácio Passos, o Tico Passos , Gilberto Passos fizeram parte

Anônimo disse...

Armando Jesus Barbieri Barbieri (Facebook):
Da minha adolescência , foram épocas que deixou saudades !

Anônimo disse...

Nilza Stipp (Facebook):
O meu pai Gregório Freres trabalhou no Casino por algum tempo, embora fosse funcionário da Agência Araújo e Passos ! Eu e minha irmã curtimos muito esse cinema!

Delmanto disse...

Muito importante a colocação da Ilza Maria Nicoletti Souza, a História da Cinematografia em Botucatu e no Brasil precisa ser escrita. Ela lembrou bem o pioneirismo de seu bisavô, Cesar Francischini, na implantação da primeira sla de projeção da cidade. E faz parte da história do cinema em Botucatu a união de Pedro Chiaradia e Emílio Peduti, além do Eichemberg.
Botucatu foi sede das maiores Distribuidoras de Filmes do Brasil. A Araujo & Passos; José Reis e tantos outras... A força e a presença física por todo o Estado de São Paulo da ETP – Empresa Teatral Peduti AGLUTINOU, em Botucatu, muitas empresas voltadas ao cinema, inclusive, uma gráfica que imprimia as entradas de todos os cinemas da rede. É preciso que se faça um levantamento minucioso desse período, destacando a importância do cinema e das empresas a ele ligadas no desenvolvimento de Botucatu e região, assim como o grande e seguro emprego dado a muitos botucatuenses.
Vejam a manifestação da Ilza Maria:
Ilza Maria Nicoletti Souza (Facebook):
Como esquecer esse cinema ??? Como esquecer a importância da Cinematografia para Botucatu ?
Cresci dentro dessas paredes . A primeira Sala de Projeção de Botucatu foi de meu bisavô Cesar Francischini .Depois veio a era Chiaradia e Peduti .Quando o Sr. Emilio saiu do banco meu avô o convidou para juntos montarem um cinema . Foram associados por muitos anos . Desfizeram a sociedade e o Sr. Emilio seguiu sòzinho . Quantas lembranças !!!! Meu pai trabalhou como cinematografista dos 16 anos até se aposentar . Quantas histórias !!!!

Anônimo disse...

É emocionante conhecer um pouco da historia de Emilio Pedutti. Na época em que eu era adolescente em Santa Cruz do Rio Pardo, frequentava o cine São Pedro, que era de propriedade dele. E papai as vezes mencionava, que ele era parente do meu Avô, nascido em Avaré. Mas desconhecia a importância histórica que ele teve para a região. Fico feliz em saber que foi alguém que deixou o legado de um mundo melhor, que foi um homem de estatura moral e de simplicidade.

LUIZ CARLOS CASEMIRO disse...

Parabéns pelo blog. Escrevo crônicas, muitas sobre Botucatu, minha cidade Natal. Hoje acessei o Google para saber se Peduti era com dois tês. Menciono o querido prefeito ao falar do Cine Paratodos. Descobri sua página. Ah! Dr. Antoninho tão querido por todos de minha família. Você tem o privilégio de ser filho de um homem, médico, inesquecível, ético, bondoso. Luiz Carlos Casemiro - casenora@terra.com.br

Postar um comentário