fevereiro 27, 2011

A REVOLUÇÃO DA INFORMAÇÃO

“Precisaríamos ser cegos ou preconceituosos para não perceber que o motor secreto desse movimento é um instinto de liberdade e de modernização...”
Mario Vargas Llosa.

As melhores cabeças pensantes do mundo estão analisando a onda de movimentação da massa social que ocorreu em vários países e que continua ocorrendo, sob a influência da globalização e da informação via internet.

Sem viés ideológico, vem atingindo governos ditatoriais tanto da esquerda quanto da direita. Regimes autoritários com décadas de solidez perdem, em semanas, toda a sua segurança e prepotência. Uns ainda tentam reagir pela força...em vão...

A citação de abertura deste artigo é do escritor e ganhador do Nobel de Literatura, Mario Vargas Llosa (“Estadão”, 20/02/11), que nos mostra que o desejo de liberdade e de modernização, difundidos via internet, é que vem motivando as populações desses países e, especialmente, os jovens. É dele, também, está análise do movimento libertário:

Mario Vargas Llosa/leia aqui

“A revolução da informação foi esburacando por toda parte os rígidos sistemas de censura que os governos árabes haviam instalado para manter os povos que exploravam e saqueavam, na ignorância e no obscurantismo tradicionais. Hoje, porém, é muito difícil, quase impossível, um governo submeter a sociedade inteira às trevas mediáticas para manipulá-la e enganá-la como outrora.
A telefonia celular, a internet, os blogs, o Facebook, o Twitter, as redes internacionais de televisão e demais recursos da tecnologia audiovisual levam a todos os rincões do globo a realidade de nosso tempo e forçam comparações que por certo mostraram às massas árabes o anacronismo e barbárie dos regimes que sofriam e a distância que os separa dos países modernos.”

Impossível deixar de lembrar da importância da união do povo árabe, durante a 1ª. Grande Guerra Mundial com o idealismo e a liderança de Lawrence da Arábia. A união das muitas tribos esparsas que, ao depois, transformadas em Nações, foram mantidas exploradas e isoladas por ditaduras cruéis e por seus falsos dirigentes...

Lawrence da Arábia/histórico aqui

Em Cuba, por exemplo, apenas 20% da população tem acesso à internet. Na China, o governo tenta reiteradamente, censurar e vetar a informação online. Na Líbia, onde há mais de 40 anos persiste a ditadura sangrenta de Kadafi, suspenderam a comunicação via internet em um desespero inútil, inúltil e SANGRENTO!!!

De Cuba, a conhecida “resistente” à Ditadura de Fidel Castro, a jornalista e blogueira, Yoni Sánchez, em artigo publicado no Estadão, de 13/02/2011, “Tão Longe do Cairo”, não deixa dúvidas quanto ao espírito dos cubanos ao verem que Fidel Castro que foi levado ao poder para derrubar a Ditadura de Fulgêncio Batista está, HÁ MAIS DE 50 ANOS NO PODER!, transformando Cuba na mais expressiva Ilha da Pobreza do Continente Americano (só perdendo para o Haiti):

“...pois embora o Cairo fique muito longe, há demasiadas analogias entre os cubanos e aqueles rostos que vimos reunidos na marcha de um milhão. Eles gritavam contra Murbarak, mas do lado de cá da tela muitos sentimos que eles nos intimavam, que nos faziam sentir vergonha de nossa inércia.”

Yoani Sánchez/leia aqui

Direto de Cuba/leia aqui

Assim, Mario Vargas Llosa insiste: “O que sabemos, porém, é que, em sua origem e primeiro desenvolvimento, esse movimento foi civil, não religioso, e claramente inspirado em ideais democráticos de liberdade política, liberdade de imprensa, eleições livres, luta contra a corrupção, justiça social, oportunidades para trabalhar e melhorar...”

E vamos repetir, com destaque, o que a imprensa nos mostrou desde o início que essa mobilização crescente era...diferente! Tendo levado o presidente dos EUA a afirmar, com admiração, que vira, via internet, na praça da vitória, famílias inteiras com seus filhos pequenos e, também, jovens, muitos jovens! Era o Egito redivivo a cobrar os seus direitos e a resgatar a sua honra!

Sim, simples assim e surpreendente! Mágico! Vozes que chegavam aos lugarejos, às aldeias e que vibravam na periferia do Cairo. A arma mortal era aparentemente inofensiva. Ela conectava pessoas, levava rapidamente notícias, relatava online a expectativa de um mundo todo acompanhando as esperanças de uma Nação inteira. A Aldeia Global se corporificava no avanço tecnológico da comunicação via internet...

E. independentemente das quedas de ditaduras, ACREDITAMOS firmemente que essa onda revolucionária venha a atingir “DEMOCRACIAS-MEIA-SOLAS”, como a nossa, para uma higienização cívica, restabelecendo a confiança! Pois sem confiança as pessoas não participam, se ausentam, sempre desconfiam da classe política e nunca, nunca acreditam nas promessas feitas...

“A perda da confiança tem efeitos sistêmicos, debilita as instituições, afeta a política, a economia e carcome o tecido social. Não é fácil restaurar, por se haver destruído, um ativo intangível como a confiança...” (trecho de Daniel Gustavo Montmat, PHD em economia, direito e sociologia, no jornal “La Nacion”, de 01/07/2009).

E para que se tenha, com clareza, o retrato político do Brasil e se compreenda a nossa batalha para que se convoque a sociedade civil e, daí sim, partirmos para a Assembléia Nacional Constituinte, vamos trazer trechos do Editorial do “Estadão”, de 25/12/2007:

“...No Brasil, ao contrário, com sua história tumultuada e sua democracia jovem, os partidos não tiveram a chance de se consolidar segundo princípios e posições ideológicas. A democracia brasileira se cristaliza no momento em que as grandes diferenças ideológicas se dissipam. Ao lado disso, há a falta de instrução da maioria da população e a gravidade dos problemas sociais, que impõem uma urgência e convidam ao imediatismo. Nada disso propicia juízos políticos conscientes. O resultado é a má qualidade dos candidatos vitoriosos nas mais diversas esferas políticas...”

Portanto, acreditando que essa onda democrática de restauração das dignidades das Nações vá chegar ao Brasil é que insistimos no alerta:

Sem ilusões quanto às posições de esquerda ou de direita, resta ao brasileiro a convocação de uma ASSEMBLÉIA NACIONAL CONSTITUINTE para a realização das reformas necessárias – especialmente a REFORMA POLÍTICA – A MÃE DE TODAS AS REFORMAS!

E, reiterando o perigo e afastando de vez essa farsa de Reforma Política que a figura folclórica do presidente do Senado Federal, José Sarney, está “montando” para o Governo Federal... A tão esperada Reforma Política corre um sério risco de ser transformada na “reforma política do PT” ... com vida curta e credibilidade zero, sob os auspícios daquele fiel “companheiro” que acompanhou Lula até São Bernardo!!!

Avante! A Mudança é possível e nós a faremos!!!

3 comentários:

Anônimo disse...

Todos começamos a compreender o que é, de fato, uma DITADURA. A Líbia com seu caricato Ditador Kadafi mostrou todo o terror, toda maldade, toda a violência e mau caráter de quem sabe que vai acabar a mamata de mais de 40 anos, MAS NÃO QUER LARGAR O OSSO! É preciso uma resposta rápida e definitiva. As Nações Democráticas precisam começar a agir para arrancar esses Ditadores que ainda exploram e humilham populações inteiras. Viva a liberdade! Abaixo a Ditadura!!!
(carlosantoniomascarenhas@yahoo.com.br)

Anônimo disse...

Nosso tempo de Ditadura já passou, mas caímos num outro tipo de Ditadura onde os políticos dizem uma coisa e fazem outra. Isso também é uma enganação ao povo como fazem os ditadores, ou não? O “Chefão” desfila pelo mundo todo com “pose” de esquerdista autêntico e, internamente na administração do país, age como um “burguês de quatro costados”, puxando o saco dos ricos e abarrotando os bancos de dinheiro (dinheiro NOSSO!) Tá certo isso? Tem que acabar! É a Ditadura da Ignorância e da Enganação! Chega! Queremos ter voz. E nós podemos!!!
(p.gomes27@yahoo.com.br)

rebloggando-requeri disse...

cuba, tão rica culturalmente e tão maltratada.
tenho uma amiga cubana, médica e me assusta, quando estou com ela, ve-la sempre à espreita de alguma coisa, literalmente!!! a conversa sobre qq assunto banal, é ornada por olhares desconfiados.
ela tem acesse à internet, um privilégio por conta da profissão, mas faz uso disso sob a sombra do terror e do medo.

quer saber??? não sei se por serem tão parcos, meus parcos conhecimentos em política internacional, não imagino que esse clima mude.

de resto, é esperar pra ver.

beijo.

Postar um comentário