março 15, 2011

JAPÃO: Ajoelhou, tem que rezar !!!

No meio dessa enxurrada de notícias ruins, não tenho visto nenhum protesto pelo fato do Japão possuir mais de 50 Usinas Nucleares!!! Mais de 50 Usinas Nucleares!!!
Em um país que durante a 2ª. Grande Guerra foi bombardeado por 2 Bombas Atômicas! O único país no mundo que sofreu essa violência atômica!
Mesmo assim, na busca do desenvolvimento e bem estar de seu povo, optou pelo uso da energia nuclear...Quem optou? Os seus dirigentes, os seus governantes? E por quê?!? Não sabiam do risco que corriam e a que submetiam toda população japonesa?!?

Terremoto do Japão/leia aqui


É preciso insistir na pergunta: não sabiam do risco que corriam e do risco a que submetiam toda a população japonesa?!?

Um país que é um conglomerado de ilhas (um Arquipélago, com 5 ilhas principais) e que, desde sempre, tem convivido com tremores de terra e terremotos violentos?!? Que não foi a primeira vez e nem será a última vez de um terremoto dessas proporções?

Tsunami do Japão/leia aqui


E tem mais: os vulcões são uma realidade grave desse pequeno país. Ou seja, as autoridades sabem e a população sabe dos graves riscos a que estão constantemente submetidos. Mas, a decisão, a opção na busca da indispensável energia foi e é de suas autoridades. Essa opção vem depois da 2ª. Grande Guerra; quer dizer que essa escolha, a responsabilidade por optar pela energia nuclear foi de seus dirigentes políticos e só deles. Nem o Imperador pode ser responsabilizado, eis que após a última guerra mundial, eles (os Imperadores) mandam tanto quanto a Rainha Elisabeth...

Então, temos o seguinte cenário: um país limitado territorialmente, com áreas disponíveis para a agricultura bem escassas, tendo muitas montanhas e vulcões. Ora, com o problema natural dos vulcões e com os comprovados e constantes tremores de terra e, infelizmente, com os graves e fortes terremotos seguidos de tsunamis, esse país NÃO PODERIA OPTAR PELA ENERGIA NUCLEAR!!!

Mesmo não sendo um prof. Goldemberg ou um prof. Pinguelli Rosa eu sei e todos sabemos que o risco de ter 1 (UMA!!) Usina Nuclear é IMENSO!!! E nem venham falar em segurança: as 3 etapas para estabilizar o reactor nuclear, FALHARAM!

E não me venham com desculpas esfarrapadas, tipo: o desenvolvimento exigiu, ou era indispensável, etc. Não é verdade! Se não tem condições geográficas para as grandes barragens hidroelétricas, podem muito bem partir para as usinas termoelétricas. São poluentes, são! MAS NÃO REPRESENTAM o alto risco das Usinas Nucleares!

Alguém pode dizer: falar agora é fácil... Também não é verdade! Quando o mundo todo se condói por essa tragédia NÃO é nada fácil fazer o papel do advogado do diabo. É muito fácil NÃO fazer essa pergunta. Mas como não estamos aqui para ser bonzinhos e nem para evitar a busca da verdade, nós a fazemos e com toda a força dos nossos pulmões:
POR QUÊ O JAPÃO OPTOU PELA ENERGIA NUCLEAR?!? Por quê?!?

Lá tem o Partido Verde e, mais, não tem o filho do Sarney como líder do Partido Verde no Congresso Nacional, como nós... Ufa!

Resta apenas a pergunta, mesmo porque alguém tem que responder essa pergunta. Sem desculpas, existem n fontes de energia: eólica, do mar, termoelétrica, hidroelétrica... Alguém tem que dar a resposta. Deixamos a pergunta que todos - temos a certeza! – todos gostariam de ouvir a resposta!

POR QUÊ O JAPÃO OPTOU PELA ENERGIA NUCLEAR?!? Por quê?!?

7 comentários:

requeri disse...

tem um humorista que diz: não se deprecie mulherrrrrrr!!!!!

conhecendo o tamanho do japão, onde mal cabem os súditos do imperador, tendo consciência de que o país não vai além daquele monte de ilhinhas acomodadas, inseguras sobre o pacífico, sabendo sobre iroshima e nagazaki, não é de hj me faço, envergonhada, essa pergunta: pra que tanto átomo explosivo???

depreciei a minha inteligência e vc veio me salvar, mais uma vez.

beijo.

requeri disse...

desleixada eu:

hiroshima e nagasaki

sorry!!!!

Anônimo disse...

A vítima disso tudo não é só a população do Japão, agora todos os países circunvizinhos na orla do Pacífico correm o seríssimo risco de terem suas populações afetadas pela irradiação da nuvem gigantesca que saiu da explosão. Tem um ditado que diz: “Quem não tem competência não se estabelece”. Os dirigentes Japoneses devem uma explicação ao mundo todo. Mesmo porque, no mundo todo, há uma campanha contra as Usinas Nucleares. A primeira-ministra alemã já mandou desativar 6 usinas nucleares. O Brasil já tem 2 e quer inaugurar a terceira! As 2 fornecem apenas 2,5% da energia consumida pelo país: é quase nada. Que a Dona Dilma mostre ao que veio e acabe com esse papo de que é importante dominar o átomo...Pra que? Para uma guerra? Para grandes descobertas? Parem o Bonde que eu quero descer! Abaixo com as Usinas Nucleares e Tribunal de Haia para os irresponsáveis e extremamente ambiciosos (clones de capitalistas) dirigentes japoneses. Tá certo: ajoelhou, tem que rezar!
(jair.castro66@yahoo.com.br)

Anônimo disse...

Estela Dias comentou seu link.
Estela escreveu: "A PREPOTÊNCIA é a maior responsavel. PRESUNÇOSO se faz manifestar em seus desejos, OS DOIS PODEm SE ENCONTRAR, em qualquer lugar. Até mesmo, em outro lado do mundo."

Anônimo disse...

Eu acho tudo isso muito triste e aterrorizador. Sinto simpatia pelos japoneses, mesmo sabendo o preconceito e a discriminação que tem com os dekasseguis brasileiros que foram para a terra de seus pais em busca de um futuro melhor. Isso revolta, afinal aqui no Brasil, essa colônia japonesa foi recebida de braços abertos. Hoje, são mais de 250 mil dekasseguis trabalhando e construindo a riqueza do Japão e a deles também. Que Deus ajude esse povo sofrido e que limite o mal que essa energia negativa que está solta no ar possa causar a tantos inocentes.
(mariceiaoliveira@yahoo.com.br)

Anônimo disse...

Prezado Armando, saudações!
Parabéns pelo seu blog e o recente artigo. Permita-me fazer um breve comentário de cunho filosófico.
Somos uma massa fantástica de algo em contínuo processo evolutivo chamada Humanidade. Bem, acredito que nem todos seguem os mesmos caminhos e gradações. Vai daí, que a gente acaba quase caindo naquela horrível coisa chamada preconceito. Mas não é o caso. Sou um bem detectador da diferença que existe entre essa palavra e a intuição de certas coisas. Graças a Deus. Bem, sempre fui simpatizante e solidário com os índios, até o momento em que vi, pelo you-tube, um pai e uma mãe enterrar o casalsinho de filhos vivos só porque eram gêmeos! Vem me dizer que é a "cultura" deles, como me disse uma aluna? Que raio de cultura é essa? Isso é primitivismo no mais amplo conceito. Respeito e admiro os japoneses.
Mas fiquei pensando: qual o motivo de dar 2 bolinhos de arrôs para o homem e 1 só para a mulher? Ainda a discriminação típica dos orientais, tipo fundamentalismo islâmico, outro câncer miserendo do tal processo evolutivo? Pois é: apenas no contexto da "atração do abismo" é que conseguimos entender alguma coisinha da opção deles pela energia nuclear. Eu morria de medo de defunto e de caveira. Ainda "morro" de medo de morrer. Mas consegui mitigar um pouco esse medo quando comecei a meditar nas idéias do espiritismo...
Outra coisa: você não acha que está havendo um incrível retrocesso? Ontem a energia era muque. Depois passou para água, vento, e vapor. Quando descobriram a eletricidade, que maravilha! A energia do Universo! De repente, a energia atômica! Agora, usa-se essa energia para produzir eletricidade. Dá para entender? Daqui a pouco vamos usar eletricidade para dirigir a água aos moinhos e inventar moinhos de vento para fazer a gente conseguir trabalhar manualmente...~
Não é tudo uma loucura?
Abraços, Sebastião ( comente o comentário, se possível...)
(jspmendes@hotmail.com)

O problema cultural é real. Cada núcleo civilizatório tem todo direito de ter a sua cultura e seus costumes. Desde que não pratiquem atos atentatórios à moral e à cultura mundialmente aceitas. Afinal, há mais de 10 mil anos o homem procura organizar-se e estruturar-se em sua comunidade e de acordo com sua tradição. É preciso que fiquemos atentos para a realidade do mundo em que vivemos. Preservar a unidade familiar e evitar a quebra de todos os valores que nos foram legados pelos nossos maiores e que se consubstanciam nos fundamentos da sociedade humana.

Mas ao lado disso, caro Sebastião, está a realidade política que sempre aflora nas grandes crises e nas grandes transformações sociais. O exemplo do mundo árabe é impressionante: a existência de cruéis ditaduras, quer sobre a fachada da direita quer da esquerda, que abrigam verdadeiros facínoras que tem mantido as suas respectivas populações num atraso cultural assustador e sendo espoliadas em seus direitos à saúde e à cidadania plena.

Da mesma forma o que nos foi revelado por esta grave crise nuclear vivida pelo Japão. Mais uma vez destaco a pleno determinação dos povos e de seus governantes. E independentemente de achar um absurdo que aquele pequeno país com uma geografia ingrata, com vulcões, com tremores constantes de terra e com periódicos terremotos de gravíssima conseqüência seguidos de tsunamis arrasadores opte pela energia nuclear, vejo-me no direito de cobrar e de pedir que a justiça internacional intervenha naquele país à partir do momento em que o perigo da contaminação nuclear passa a por em risco as populações de países ao entorno do Japão. É caso – tenho a certeza! – de apuração de responsabilidade governamental a causar tragédia nuclear a outros povos.
Esse assunto ainda dará muita discussão. Vamos ficar atentos e participantes. O silêncio em casos que tais não é ato de solidariedade, mas de imperdoável omissão!
Obrigado por suas considerações e por sua participação cidadã. Grande abraço. Delmanto.

Anônimo disse...

Boa noite, Dr Armando!
Suas matérias muito me informam, sempre.
Pena que os lucros e oportunidades envolvam os que detêm o poder e não com os que têm sabedoria. O inocente povo paga.
Agradeço aos exemplares da Revista. Ficou ótima!
Amanhã encaminharei o exemplar de Dra Raquel, nossa Primeira Dama.
Abraço
Carmem Lúcia
(krmemluci@hotmail.com)

Postar um comentário