janeiro 23, 2017

Aniversário de SÃO PAULO: 463 Anos!
















“Crescem flores de concreto

Céu aberto ninguém vê
Em Brasília é veraneio
No Rio é banho de mar
O país todo de férias
E aqui é só trabalhar
Porém com todo defeito
Te carrego no meu peito
São, São Paulo
Meu amor
São, São Paulo”


                                      Tom Zé

O famoso cartunista Paulo Caruso fez uma exposição mostrando personagens que denominaram ruas da cidade, prédios famosos, grandes heróis e praças que tem a "cara de São Paulo"... Abaixo, duas obras de Caruso:

 o Monumento às Bandeiras e a Praça da Sé:




É a maior cidade do Brasil e uma das maiores metrópoles do mundo. É a maior cidade de nordestinos do Brasil. É a maior cidade de italianos do mundo. E é a cidade que forjou a brasilidade, daqui partiram as Bandeiras que ampliaram as fronteiras do país. Os Bandeirantes consolidaram a unidade nacional.



Para se conhecer o PERFIL DOS PAULISTAS é preciso conhecer um pouco da história desta capital/aniversariante (25 de janeiro!) e seu famoso MONUMENTO ÀS BANDEIRAS:

Monumento às Bandeiras:

            Perfil dos Paulistas!

 Na gravação em pedra da energia épica e gloriosa dos Bandeirantes que ampliaram e consolidaram as fronteiras do país e a formação da nacionalidade. Armando de Salles Oliveira buscou perpetuar as mais nobres tradições paulistas, mandando erigir um monumento aos heróis do passado. Na obra de Victor Brecheret ficou consolidado, historicamente, o perfil do paulista! Com figuras másculas e imponentes – retrato dos nossos heróis! – imortalizou no granito as tradições paulistas”.

(“História da Vitória Política Paulista – 1934”, 2010, Ed. Peabiru, de Armando M. Delmanto)

No Ibirapuera foi levantada magistralmente pelo famoso escultor italiano Victor Brecheret (Vittorio Brecheret), o “Monumento às Bandeiras”. Tornada Símbolo dos Paulistas por ato do então governador Armando de Salles Oliveira, a obra e o escultor precisam ter melhor divulgados os caminhos que foram percorridos até a sua consolidação.

A Obra:



“Monumento às Bandeiras” foi oficialmente apresentado ao publico em 1920, como parte das comemorações da Independência. Em 28 de julho daquele ano, o projeto foi apresentado ao público na Casa Brigton, na rua XV de Novembro. Apesar de ter sido muito bem recebido pelo público, o Estado optou por não implantá-lo para não criar atrito com a comunidade portuguesa, que também tinha oferecido à cidade um monumento à saga bandeirante.

Em 1936, Armando de Salles Oliveira, então governador, decidiu construir o monumento em frente ao espaço que viria a ser o Parque Ibirapuera. Principalmente após a Revolução Constitucionalista de 1932, era importante definir o perfil dos paulistas e a sua grande obra: As Bandeiras! As obras do monumento, iniciadas no mesmo ano, e sempre com o acompanhamento pessoal de Armando Salles, foram paralisadas durante a 2ª Grande Guerra. Em 1944, o governo transferiu a construção para a prefeitura, que só retomou os trabalhos em 1946.

A inauguração aconteceu em 25 de janeiro de 1953, durante as comemorações do 399º aniversário da cidade. Com 12m de altura, 50m de extensão e 15m de largura, o “Monumento às Bandeiras” representa uma expedição bandeirante subindo um plano, com dois homens a cavalo. Uma das imagens representa o chefe português e a outra, o guia índio. Atrás, um grupo formado por índios, negros, portugueses e mamelucos puxa a canoa das monções, usada pelos bandeirantes nas expedições pelos rios. A obra foi instalada no sentido de entrada dos bandeirantes pelo interior.

Em frente ao monumento, há um mapa de Afonso Taunay, esculpido no granito, que mostra o roteiro das expedições com os nomes de alguns bandeirantes famosos, entre eles Fernão Dias, Anhanguera, Borba Gato e Raposo Tavares. Versos dos poetas Guilherme de Almeida e Cassiano Ricardo lembram as bandeiras em placas nas laterais da escultura. A praça recebeu o nome de Praça Armando de Salles Oliveira, em homenagem ao governante paulista.

O Escultor:

O escultor nasceu em Farnese, província de Viterbo/Itália, aos 22 de fevereiro de 1894, falecendo em São Paulo, em 17 de dezembro de1955. Foi o responsável pela introdução do Modernismo na Escultura Brasileira.

Precocemente mostrou interesse pelas artes indo, aos 13 anos, estudar no Liceu de Artes e Ofícios da capital, A seguir , foi para Roma enriquecer seus estudos, onde ficou até 1919. Voltou ao Brasil e, em 1921, seguia para Paris(com pensão do Governo), onde ampliou seus estudos até 1935/36. Mesmo estando tanto tempo fora do Brasil, Brecheret sempre mantinha contato com os intelectuais brasileiros. Foi um dos integrantes da Semana de Arte Moderna de 1922 e mesmo não estando fisicamente presente, participou com 12 de suas esculturas. Brecheret teve sua “fase italiana”, posteriormente a sua “fase francesa” e, finalmente, a sua “fase brasileira” , com destaque para suas obras: Monumento às Bandeiras, Parque Ibrapuera, SP; Duque de Caxias, Praça Princesa Isabel, SP; Fauno, Parque Siqueira Campos (Trianon), SP; Depois do Banho, Largo do Arouche, SP; Graça I e Graça II, Galeria Prestes Maia, SP; Busto Santos Dumont, Aeroporto de Congonhas, SP; Diana Caçadora, Teatro Municipal, SP; Fachada e Interior, Jockey Club de São Paulo; Morena, Ministério da Educação e Cultura, Brasília; Bartira, Ministério da Educação e Cultura, Brasília; Índio e Suassapara – Middelheim, Anvers-Bélgica; Máscara de Menotti del Picchia, Praça Juca Mulato, SP; Busto de Alcântara Machado, Academia Paulista de Letras,SP; Busto de Brasílio Machado, Faculdade de Direito da USP (Largo de São Francisco), SP; Banho de Sol, Palácio Itamarati-Brasília; O Grupo, La Roche-sur-Yon, França; Retrato de Santos Dumont, Sala Presidencial da Base Aérea de Brasília.

OBS.: O PREFEITO DE SÃO PAULO, JOÃO DORIA, TRAZ UMA PROPOSTA DE MUDANÇA NA GESTÃO DA CIDADE!

Nenhum comentário:

Postar um comentário