janeiro 02, 2017

LICEU CORAÇÃO DE JESUS – REGISTRO HISTÓRICO

LICEU CORAÇÃO DE JESUS – REGISTRO HISTÓRICO

Jubileu de Ouro - 60 ANOS! (1957 - 2017)

No final dos anos 50 começava um novo e surpreendente ciclo de vida para mim. Garoto rebelde, pedi ao meu pai para ser aluno interno em São Paulo. Era a busca de novos horizontes e de um reencontro pessoal.

Fui para o Internato do LICEU CORAÇÃO DE JESUS, tradicional estabelecimento educacional dos padres salesianos, sendo DOM BOSCO o fundador dessa Ordem Religiosa.
De Botucatu, fomos eu e o Carlos Alberto Melluso (Nenê). Um novo mundo se abriu para nós. Uma nova realidade e a necessidade de comandarmos a nossa vida. Tudo era desafiante e empolgante.
Armando e Nenê Melluso
O Nenê Melluso ficou apenas um ano e voltou para Botucatu. Estudou Direito e entrou para a Magistratura Paulista, sendo Juiz em Araraquara. Faleceu muito cedo. A Prefeitura de Botucatu deu seu nome para o nosso Terminal Rodoviário “DR. CARLOS ALBERTO MELLUSO”.
EDUCAÇÃO SALESIANA




clique nas imagens para ampliar

Fui para o Internato como um garoto rebelde...e voltei rebelde. Participei de todas as atividades com muito ânimo. Fiz parte da Liguinha, denominação do Setor de Esportes dos alunos Médios (com o nº 364). Participei de todas as atividades esportivas, algumas com algum brilho e em outras como “perna-de-pau”... Mas com comportamento difícil e inquieto. No final do segundo ano do internato fui convidado a me transferir... Voltei para Botucatu e fiquei um ano no EECA, com a mesma rebeldia.
A ATUAÇÃO PEDAGÓGICA E EDUCACIONAL DOS IRMÃOS LASSALISTAS
Indo para o COLÉGIO ARQUIDIOCESANO LA SALLE (hoje, Colégio La Salle), “operou-se o milagre”, como dizem os evangélicos. Uma mudança da “água para o vinho”... A habilidade no trato com os alunos que tinham os irmãos lassalistas era marcante. Lá passei os melhores anos escolares de minha vida. Os Irmãos Elói, Urbano, Felipe, Hilário, Florentino, Celso e Waldemar eram participantes, interessados e chegavam a estabelecer verdadeira amizade com os adolescentes de então. Tenho orgulho em dizer que tive um desempenho positivo, chegando a ficar entre os cinco melhores alunos da classe. Ufa!
na primeira fila, o terceiro da esquerda para direita
 os formandos da 4ª série ginasial

os cinco melhores alunos: Dirceu, Salvador, Armando,
 Irmão Urbano e, abaixo, Thomaz e Jair.
Do LICEU CORAÇÃO DE JESUS levei a inesquecível experiência de vida. Sozinho, num mundo diversificado, com jovens de todos os lugares, todos ávidos de participação em um mundo que estava, a pouco e pouco, se transformando...na música, na política, na gestão pública e no próprio espírito participativo e proativo da população.
O período em que estudei no Liceu Coração de Jesus - a Casa de Dom Bosco -, foi especial para mim. Ganhamos o Campeonato Estadual de Fanfarras, participamos de programa, ao vivo, na TV Record, tocando com um orgulho de verdadeiros vencedores.
Na galeria de ex-alunos do Liceu, encontramos o ex´presidente Jânio Quadros, os ex-governadores Carvalho Pinto e Franco Montoro, o escritor Monteiro Lobato, o Prof. Zeferino Vaz, o músico Toquinho, Grande Otelo e entre tantos outros destacados cidadãos, o meu avô materno, Manoel Camargo de Moraes... Bons tempos... Saudades... 


clique na imagem para ampliá-la


Como aluno dos Médios (tinham os Maiores e também os Menores), era muito ampla a oferta de esportes para os alunos. Assim, de início formamos as equipes na diversas modalidades:

Futebol de Salão
Haguenur (cap.)
Arinos
Melusso
Manara
Capriatti
Delmanto.

Futebol de Campo
Arinos (cap.)
Delmanto
Haguenur
Eduardo
Rafael
Manara
Lulu
Soriani

Tênis de Mesa
Delmanto (cap.)
Manco
Bigode
Jorge
Arinos
Wilson

Basquete
Fred (cap.)
Delmanto
Mangeoni
Melusso
Capucci

Voleibol
Ebis (cap.)
Dall’Oglio
Delmanto
Pimenta
Bucci

Eram alunos de várias cidades do interior e da capital, sendo que tivemos muitos colegas de outros estados.

estou na primeira fila, o primeiro à direita 

entre amigos 

O MUNDO ESTAVA MUDANDO

Na segunda metade dos anos 50, o mundo e o Brasil estavam experimentando uma série de novidades...O rock estava surgindo e abalava as estruturas conservadoras da sociedade, com mudança de costumes, principalmente entre a juventude. No Brasil, até a música tradicional - o samba! - sofria uma mudança significativa: uma batida diferente. Parecia jazz ou blues... Era a Bossa Nova. Uma nova música, o rock-and-roll mudando os costumes e abalando as estruturas. Elvis Presley, James Dean e a juventude transviada... Eram os novos tempos... Na sociedade dos após guerra, a palavra de ordem era a reconstrução, a modernidade, a ousadia nos empreendimentos. Novas concepções de espaço e novas posturas arquitetônicas: a Pampulha, em BH e o Ibirapuera, em SP, eram o sinal de geniais profissionais (Burle Marx e Oscar Niemayer) do que seriam os anos 60 com a construção da Nova Capital - BRASÍLIA! 



E eu acompanhei e vivenciei toda essa mudança. Era o segundo semestre de 1958, na capital paulista e o cenário era o imenso páteo interno do Liceu Coração de Jesus, dos padres salesianos. Eu, com os meus 13 anos, gostava de acompanhar nos intervalos das aulas e das atividades de estudo, os hit-parades musicais. Com meu radinho portátil de pilha (SPIKET-200), estava sempre por dentro das paradas de sucesso e não perdia nenhum jogo do Palmeiras...(o Campeão de 1958 só poderia ter sido o Santos, com o Pelé no seu auge, fazendo 56 gols no campeonato). Acompanhava o campeonato pelo rádio e pelos recortes do "Estadão" que semanalmente meu pai me enviava...

João Gilberto o Pai da Bossa Nova/leia aqui 
Ministério da Cultura apóia comemoração dos 80 anos de João Gilberto/aqui 

E numa dessas tardes, sentado ao lado do campo de futebol, comecei a ouvir uma música totalmente diferente, um outro ritmo, com uma voz “ao pé do ouvido” e uma letra fenomenal: era “Chega de Saudade”, de Tom Jobim e Vinicius de Moraes. O Cantor: João Gilberto. Posso dizer que foi paixão ao primeiro acorde. Eu, interno na capital, estava descobrindo um mundo novo, uma liberdade individual desafiante, amigos os mais diversos e, agora, o enlêvo por uma letra, cantada baixinho, mostrando o amor como eu gostaria que fosse, mesmo porque ... 

”...pois há menos peixinhos a nadar no mar do que os beijinhos que eu darei na sua boca...”

“Chega de Saudade”/ João Gilberto & Caetano Veloso/vídeo aqui 
“Garota de Ipanema”/João Gilberto & Tom Jobim/vídeo aqui 

Hoje - 60 Anos depois - recordo e registro essa minha experiência de vida. Apesar de ter perdido quase todos os finais de semana para sair e passear, por comportamento, mesmo assim, consegui assistir a um jogo do Palmeiras no Pacaembu com meu pai que naquela oportunidade não perdeu a viagem e pode levar-me para almoçar, "curtir" o verdão e passar bons momentos juntos...




Nenhum comentário:

Postar um comentário